QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Língua Portuguesa: Quais são as “Gafes” da Comunicação Oral?

O excesso de informalidade na comunicação oral pode se tornar um problema sério no dia a dia profissional – muitas vezes, a pessoa já não sabe mais diferenciar o que está de acordo ou fora dos padrões da língua portuguesa. 

Mas quais são as principais “gafes” cometidas pelos brasileiros e o que fazer para eliminar essas falhas do vocabulário?

Segundo o professor Elvio Peralta, Diretor Superintendente da Fundação Fisk, não há fórmula mágica: o segredo “é praticar a norma culta na leitura e na escrita”. Consequentemente, o cérebro passará a armazenar os termos corretos e a comunicação oral será mais precisa, fluirá com mais coesão, coerência e, claro, menos erros:

 “Problemas no discurso infelizmente são cometidos pela grande maioria das pessoas que não estudam a língua profundamente”, explica o professor, “Antes de aprendermos a escrever, aprendemos a falar. O que é absorvido nos primeiros anos da infância também será carregado durante o aprendizado da escrita”, complementa.

O professor ainda explica que a televisão, a Internet e o rádio, importantes emissores de informação, vêm contribuindo para o aumento das gafes: “A comunicação nas mídias sociais é repleta de informalidade, assim como na TV e nas rádios. É uma linguagem que permite maior aproximação do espectador, mas que deve ser usada com cautela” argumenta Peralta.

Confira abaixo as gafes apontadas como as mais comuns. Elas envolvem o uso de pronomes e concordância verbal, principalmente.


- "Pra mim fazer”, no lugar de: “para eu fazer”;

- “A gente vamos fazer”, no lugar de: “a gente vai fazer” ou “nós vamos fazer”;

- “Fazem três anos”, no lugar de: “faz três anos”;

- “Houveram muitos acidentes”, no lugar de: “Houve muitos acidentes”;

- “Há dez mil anos atrás, no lugar de”: “Há dez mil anos”;

- “Aonde você comprou isso?”, no lugar de: “Onde você comprou isso?”;

- “O que que você fez no fim de semana?”, no lugar de: “O que você fez no fim de semana?”;

- “Eu vi ele” ou “Eu vi ela”, no lugar de: “Eu o vi” ou “Eu a vi”;

- “Não lhe convidei”, no lugar de: “Não o convidei” ou “Não a convidei”;

- “Ela é meia louca”, no lugar de: “Ela é meio louca” ou “Ela é um pouco louca”;

- “As pessoas elas são contraditórias às vezes”, no lugar de: “As pessoas são contraditórias às vezes”;

- Palavras com pronúncias inadequadas: largatixa, cardaço, mendingo e mortandela.


Uma dica essencial para quem quer aprimorar a comunicação oral é a leitura de jornais, revistas e clássicos da literatura, que irão aprimorar o vocabulário, a fala e a escrita: “Nesses veículos, o redator precisa ser cuidadoso, pois um erro fica registrado para sempre”

Após essas providências, a prática de exercícios é essencial, pois “uma língua, mesmo que materna, só é aperfeiçoada com muito uso e leitura”, explica o Diretor Superintendente da Fisk.

 “Um curso de atualização e o conhecimento da gramática são essenciais para nos livrarmos dos vícios de linguagem e não cometermos gafes” finaliza Peralta.

Fonte: Portal Administradores
12/02/2014

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Vale a Pena Contratar um Estagiário?

Quando o assunto é contratar ou não estagiários, encontramos visões diferentes que orientam as empresas hoje em dia. Enquanto algumas delas desdenham dos benefícios que podem ser obtidos ao recrutar estudantes para os seus quadros, outras possuem programas de estágio bem estruturados e os consideram como estratégicos para o negócio. 
Frente a posicionamentos tão discrepantes, como saber se – e quando – vale a pena contratar um estagiário?
Muitas pessoas creem que a resposta está no perfil do estudante – “afinal, se ele for talentoso e dedicado o sucesso será inevitável”, dizem elas –, contudo é bom lembrar que a imensa maioria das empresas não está preparada para receber profissionais em formação porque sua cultura organizacional e o modelo de gestão praticado por elas desfavorece aqueles que estão em processo de aprendizado, sejam estagiários ou não. 
Neste caso, a pergunta se inverte: será que a sua empresa tem ambiente para receber um estagiário?
Também é preciso abandonar o conceito equivocado de enxergá-lo como alguém que terá a mesma desenvoltura de um profissional experiente que resolve tudo aquilo que aparece ou então imaginá-lo como um office-boy de luxo, a quem devem ser dirigidas apenas as tarefas irritantes e de pouquíssima relevância. Isto sem falar na premissa de encher os departamentos internos com estagiários visando diminuir os custos com pessoal.
Se você quiser ter sucesso contratando estudantes, antes de mais nada leve o processo de seleção a sério. Este cuidado fará com que vocês tragam para a base da organização pessoas que já têm as características comportamentais e os valores compatíveis com aquilo que acreditam ser o correto para todos.
Após o ingresso do estagiário na organização, procure criar um ambiente de trabalho propício ao seu desenvolvimento. Ou seja, estimule os profissionais que trabalham ao lado dele a dividir experiências, solicite tarefas que promovam a troca de ideias e faça com que ele se sinta seguro para expressar suas opiniões e levantar as dúvidas logo que estas surgem.
Mesmo quem apresenta alta motivação nos primeiros dias e demonstra um potencial de desenvolvimento acima da média, acaba se perdendo com o passar das semanas quando não é bem recebido por aqueles que poderiam ensinar-lhe como as coisas funcionam por ali. Aliás, a orientação permanente é o melhor remédio para combater qualquer intenção prévia que o aprendiz tenha em se transformar num legítimo batedor-de-cartão-de-seis-horas.
Estagiários se desenvolvem e são produtivos quando proporcionamos a eles experiências profissionais significantes e enriquecedoras. Portanto, o quanto antes você “colocá-los no fogo”, mais rapidamente amadurecerão e estarão motivados a aprender e a contribuir com a empresa. Só não esqueça de estar ao lado deles nas horas ruins, afinal ainda são estudantes.
Mas, e se as coisas derem errado? Como não há vínculo empregatício – somente um contrato que reza os direitos e deveres de todos –, deem um aperto de mão, agradeçam o tempo que passaram juntos e sigam em frente.
Por outro lado, caso vocês enxerguem um futuro promissor para este relacionamento, por que não evoluir para um casamento duradouro? O objetivo de um processo de estágio não deve ser a efetivação do estudante e sim seu aprendizado e amadurecimento profissional, mas como atualmente a falta de trabalhadores qualificados é sentida por boa parte dos segmentos empresariais, capacitar aprendizes pensando em sua permanência é mais do que uma boa iniciativa.
Outra coisa é certa: os estagiários de hoje serão os dirigentes de amanhã, assim como boa parte dos grandes gestores atuais já foram estagiários no passado. É uma pena que muitos acadêmicos de cursos técnicos e universitários deixem de se permitir esta rica experiência profissional enquanto ainda podem errar sem maiores consequências.

Fonte: Wellington Moreira - http://www.qualidadebrasil.com.br/

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

LEI DE ESTÁGIO – 7 aspectos importantes que você precisa conhecer

Em setembro de 2008, foi sancionada e decretada a Lei nº 11.788/08, conhecida como Lei de Estágio no Brasil. Uma lei de fundamental importância tanto para empresas quanto para jovens que pretendem estagiar.
Porém, mesmo após mais de cinco anos de vigência da lei, o tema ainda gera dúvidas para quem faz estágio hoje em dia. Pensando nisso, nós do blog Sobre Administração trazemos hoje para vocês os principais pontos para se observar sobre a lei dos estágios no Brasil. Confira:

Estagiário é funcionário da empresa?

Não. O estágio não é regido pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas). Portanto, o estagiário não possui vínculo empregatício com o empregador.
É liberalidade de o empregador conceder benefícios aos estagiários, como: bolsa-auxílio, qualquer espécie de benefício (assistência médica, vale-transporte, previdência privada, etc.), décimo terceiro salário, férias remuneradas, FGTS e outras garantias legais para empregados celetistas.
Devem ser observados também alguns pontos cruciais para que o vínculo de estágio não se torne vínculo empregatício:
  • O estagiário deve estar matriculado e cursando regularmente sua Instituição de Ensino;
  • Termo de compromisso firmado entre o estagiário, a parte concedente do estágio e a Instituição de Ensino;
  • As atividades do estágio devem ser compatíveis ao curso e as atividades descritas no termo de compromisso de estágio. 

Existe limite para a quantidade de estagiários em uma empresa?

Sim. Há um limite para a quantidade de estagiários proporcionalmente ao número de empregados da organização. Veja como funciona:
  • De um a cinco empregados: até um estagiário;
  • De seis a dez empregados: até dois estagiários;
  • De onze a vinte e cinco empregados: até cinco estagiários;
  • Acima de vinte e cinco empregados: até 20% de estagiários.
Importante! É obrigatório que um empregado da empresa com formação ou experiência profissional oriente e supervisione o estagiário, limitando a dez estagiários para cada empregado supervisionar.

Qual a carga horária máxima para um estagiário?

  • Até quatro horas diárias e 20 horas semanais, para estudantes de educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional de educação  de jovens e adultos;
  • Até seis horas diárias e 30 horas semanais, para estudantes do ensino superior, da educação profissional de nível médio e do ensino médio regular.
Importante! Cursos que alternam a teoria com a prática poderão ter jornadas de até oito horas diárias e 40 horas semanais.
Não é devido ao estagiário pagamento de horas extras ou realização de banco de horas.

Estagiário tem direito a férias?

A lei do estágio não garante férias ao estagiário, conforme o Capitulo IV da CLT.
É garantido ao estagiário apenas um recesso de quinze dias a cada seis meses de estágio e este deve ser gozado, preferencialmente, no período de férias escolares. O recesso será remunerado se houver pagamento mensal de bolsa auxílio, definido no termo de compromisso de estágio.
Nos casos da extinção do contrato de estágio, os recessos não gozados deverão ser pagos ao estagiário em espécie.

Qual a duração máxima de um contrato de estágio?

O estágio não poderá exceder o período de dois anos. Não havendo limite ou critério para quantidade de renovações.
Exemplo: existem contratos de estágio que são feitos somente com duração de seis meses, estes podem ser renovados por três vezes até o fim do contrato (perfazendo dois anos no total).

Existe teto mínimo para pagamento de bolsa-auxílio?

A bolsa auxílio não é obrigatória, as organizações que pagam bolsa auxílio a seus estagiários fazem isto por mera liberalidade. Sendo assim, não há regulamentação de valor mínimo pago a título de bolsa auxílio.
Lembrando que a bolsa auxílio é passível de tributação de Imposto de Renda, quando ultrapassa a faixa de isenção do mesmo.

É possível realizar estágio na empresa onde trabalha?

Sim. Desde que seja feita em setor e horário diferente de onde se exerce a atividade profissional.
O horário do estágio também não deve coincidir com o horário escolar. Na maioria dos casos, há uma redução na carga horária diária da atividade profissional registrada em CLT para que possa ser realizado o estágio.
Em alguns casos, a empresa reduz o salário do empregado visto a redução de jornada. Este fato só pode acontecer mediante carta de próprio punho do empregado, explicando minuciosamente os motivos da redução salarial e de jornada, com a presença e assinatura de duas testemunhas. As empresas não são obrigadas a aceitar este tipo de acordo.
Por:  http://www.sobreadministracao.com/

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

O Que é Coaching

Você sabe o que é Coaching? 
O coach pode lhe ajudar?
Coaching é uma palavra que vem se tornando cada vez mais presente quando o assunto é carreira, mas você sabe o que é coaching
A definição de coaching é literalmente treinamento, mas quando falamos em coaching estamos falando em uma metodologia que tem como objetivo ajudar a uma pessoa ou grupo de pessoas a realizarem uma mudança da maneira que ela quer e em direção ao objetivo que ela quiser. 
É um treinamento que leva a uma mudança de posicionamento em estratégias pessoais para se alcançar as mais variadas metas possíveis.

Como funciona o coaching?

treinamento em coaching auxilia pessoas e empresas a se desenvolverem de forma mais rápida e eficiente produzindo resultados mais satisfatórios. 
coaching trabalha com um conjunto de técnicas próprias apoiadas por habilidades, competências, padrões e princípios éticos fundamentais e difere-se de muitas atividades similares, como, por exemplo, mentoring, consultoria, ensino e treinamento. 
Coaching é algo mais focado no desenvolvimento do indivíduo e suas expertises.
A função do Coaching é ajudar as pessoas a mudarem na maneira que elas querem, ajudando-as a caminhar na direção do que elas querem ir. O coaching apóia a pessoa em todos os níveis do processo de tornar-se quem ela quer ser e ser o melhor que ela pode.

As origens do coaching

As raízes da expressão coaching, tradicionalmente, tem sido associado com os esportes. Todo atleta de alto nível tem um coaching. Ultimamente, o coaching tornou-se aplicável a outras áreas, como negócios e outros aspectos da vida, bem como nos esportes. Agora está se tornando comum ter um coach para ajudar a atingir metas na vida e no trabalho. 
É o coaching trabalhando como apoio ao desenvolvimento pessoal.
coaching é um processo contínuo, não uma conversa eventual ou um acontecimento isolado. O líder coaching pode ser comparar com um maestro, que em alguns momentos trabalha com apenas com um integrante, em outros orienta todos à distância e, em outros, corta os vínculos para que possam se desenvolver em áreas completamente fora do seu escopo. 
Você as leva a aprender e a treinar regularmente, ajuda-as a canalizar sua paixão pela aprendizagem para as melhores oportunidades e harmonizar a participação delas e dos demais integrantes da organização.

A função do Coach

A função do coach atualmente é orientar as pessoas para que aprendam por si mesmo. Forneçer as armas para que se tornem desbravadoras do próprio desenvolvimento e isso é a essência do empreendedorismo
Ensinar as pessoas a extrair lições certas de suas experiências, a encontrar outras pessoas que possam ajudá-las e a obter seu próprio feedback e informações.
O coaching é mais uma ferramenta que o profissional possui para auxiliá-lo em sua luta pelo sucesso pessoal e empresarial.

Cursos de Coaching

Atualmente no Brasil, existem diversos cursos de coaching com foco nas mais diversas áreas. Para encontrar um que satisfaça às suas necessidades é interessante pesquisar bem e conversar com pessoas conhecidas que tenham participado.
Para escolher um boa curso de coaching é interessante conhecer a empresa que o organiza e o histórico de seus profissionais para garantir um bom aproveitamento.
Agora que você já sabe o que é coaching, o que acha de programar um treinamento em coaching?
Por: http://www.empreendedoronline.net.br/

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Água com estômago vazio!!! FAZ BEM À SAÚDE -



Beba água com estômago vazio. 
Hoje é muito popular, no Japão, beber água imediatamente ao acordar. Além disso, a evidência científica tem demonstrado estes valores. Abaixo divulgamos uma descrição da utilização da água para os nossos leitores.

Para doenças antigas e modernas, este tratamento com água tem sido muito bem sucedido....

Para a sociedade médica japonesa, uma cura de até 100% para as seguintes doenças:
Dores de cabeça, dores no corpo, problemas cardíacos, artrite, taquicardia, epilepsia, excesso de gordura, bronquite, asma, tuberculose, meningite, problemas do aparelho urinário e doenças renais, vômitos, gastrite, diarreia, diabetes, hemorroidas, todas as doenças oculares, obstipação, útero, câncer e distúrbios menstruais, doenças de ouvido, nariz e garganta.

Método de tratamento:
1. De manhã e antes de escovar os dentes, beber 2 copos de água.
2. Escovar os dentes, mas não comer ou beber nada durante 15 minutos.
3. Após 15 minutos, você pode comer e beber normalmente.
4. Depois do lanche, almoço e jantar não se deve comer ou beber nada durante 2 horas.
5. Pessoas idosas ou doentes que não podem beber 2 copos de água, no início podem começar por tomar um copo de água e aumentar gradualmente.
6. O método de tratamento cura os doentes e permite aos outros desfrutar de uma vida mais saudável.

A lista que se segue apresenta o número de dias de tratamento que requer a cura das principais doenças:
1. Pressão Alta - 30 dias
2. Gastrite - 10 dias
3. Diabetes - 30 dias
4. Obstipação - 10 dias
5. Câncer - 180 dias
6. Tuberculose - 90 dias
7. Os doentes com artrite devem continuar o tratamento por apenas 3 dias na primeira semana e, desde a segunda semana, diariamente.

Este método de tratamento não tem efeitos secundários. No entanto, no início do tratamento terá de urinar frequentemente.

É melhor continuarmos o tratamento mesmo depois da cura, porque este procedimento funciona como uma rotina nas nossas vidas. 

Beber água é saudável e dá energia.
Isto faz sentido: o chinês e o japonês bebem líquido quente com as refeições, e não água fria.
Talvez tenha chegado o momento de mudar seus hábitos de água fria para água quente, enquanto se come. Nada a perder, tudo a ganhar!

Para quem gosta de beber água fria.

Beber um copo de água fria ou uma bebida fria após a refeição solidifica o alimento gorduroso que você acabou de comer. Isso retarda a digestão.
Uma vez que essa 'mistura' reage com o ácido digestivo, ela reparte-se e é absorvida mais rapidamente do que o alimento sólido para o trato gastrointestinal. Isto retarda a digestão, fazendo acumular gordura em nosso organismo e danifica o intestino.
É melhor tomar água morna, ou se tiver dificuldade, pelo menos água natural.
  
Nota muito grave - perigoso para o coração:
As mulheres devem saber que nem todos os sintomas de ataques cardíacos vão ser uma dor no braço esquerdo.
Esteja atento para uma intensa dor na linha da mandíbula. Você pode nunca ter primeiro uma dor no peito durante um ataque cardíaco.
Náuseas e suores intensos são sintomas muito comuns.
60% das pessoas têm ataques cardíacos enquanto dormem e não conseguem despertar. Uma dor no maxilar pode despertar de um sono profundo...
Sejamos cuidadosos e vigilantes.

Quanto mais se sabe, maior chance de sobrevivência...

Um cardiologista diz que se todos que receberem esta mensagem, a enviarem a pelo menos uma das pessoas que conhecem, pode ter a certeza de que, pelo menos, poderá salvar uma vida.
Por: fazbemasaude.blogs.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Brainstorm

Brainstorm, ou ainda Brainstorming, significa literalmente “tempestade de ideias”. 
No Brasil, por vezes é jocosamente denominado “toró de parpites”. É uma técnica criativa para obter ideias e soluções. De tão simples que é, muitas vezes é aplicada de forma inadequada, simplesmente como se fosse um bate-papo.

Brainstorm – definição e aplicações

Puzzle Solved And 3d Characters Shows Unity And Teamwork by Stuart MilesO PMBOK Guide (5th edition) faz diversas referências à utilização da técnica de Brainstorming.
No glossário, Brainstorming é definido como “Uma técnica criativa e um processo de levantamento de dados que pode ser utilizada para identificar riscos, ideias, ou soluções para problemas usando um grupo de membros da equipe ou especialistas no assunto em pauta”.
Esta técnica é sugerida para ser utilizada como Ferramentas e Técnica no processo Coletar Requisitos, da área de conhecimento Gerenciamento do Escopo do Projeto, no item 5.2.2.4 do PMBOK Guide.
Também é encontrada referência ao Brainstorming como ferramenta adicional  para o planejamento da qualidade, no processo Planejar o Gerenciamento da Qualidade, da área de conhecimento Gerenciamento da Qualidade do Projeto, no item 8.1.2.7 do PMBOK Guide.
E ainda é encontrada como Ferramentas e Técnicas no processo Identificar Riscos, da área de conhecimento Gerenciamento dos iscos do Projeto, no item 11.2.2.2 do PMBOK Guide.

Brainstorm – princípios

Business Concept by cooldesignO principal objetivo da educação nas escolas deveria ser a criação de homens e mulheres que sejam capazes de realizar coisas novas e não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram; homens e mulheres que são criativos, inventivos e descobridores, que possam ser críticos e verificar, e não aceitar, tudo que lhes é oferecido.
Jean Piaget, educador e cientista suíço.

Piaget identifica dois tipos de pensamento:
O  Pensamento criativo que é o processo que usamos para gerar ideias que são originais, úteis e valiosas.
Pensamento crítico é o processo que usamos para determinar a veracidade, a exatidão e o valor das suposições que sustentam nossas próprias ideias ou de terceiros.
O princípio básico do Brainstorm consiste em separar os dois tipos de pensamento, evitando que um interfira no outro.

Brainstorm – regras

 Há algumas regras a serem utilizadas:
  •  Não pode haver críticas – esta é uma das principais razões de falha no brainstorm. Não se pode reprimir ideias. Na primeira fase do brainstorm, não há julgamento de ideias.
  •  Criatividade é fundamental – nenhuma ideia deve ser omitida, por receio de críticas. Vale o “pensar fora da caixa”. Neste sentido, é interessante que o facilitador não tenha ascendência hierárquica sobre os demais, pois hierarquia inibe a criatividade. Se isto não for possível, sugiro que o facilitador comece com uma ideia bizarra, para liberar a criatividade dos demais. Quando Gerente do Contrato de terraplenagem da Refinaria Premium I, eu me sentia à vontade em meio a meus colegas, para dar novas ideias, pois sou engenheiro mecânico, portanto eu não tinha a “obrigação” de dar ideias “corretas” ou “sensatas”.
  •  Quantidade – é necessário que haja muitas ideias, para que se possa discutir mais soluções
  •  Vale pegar “carona” – uma ideia pode ser gerada a partir de outra, ou ideias distintas podem ser mescladas

Brainstorm – etapas

  • Definir o problema para o qual se busca solução (há uma variante do brainstorm que eventualmente pode ser usada: ao invés de buscar a solução para o problema, identificar como o problema pode ser causado. Um brainstorm em uma companhia aérea sobre como “Aumentar a satisfação dos passageiros” pode ser substituído através do Brainstorm reverso em “Como irritar os passageiros”).
  • Formar um grupo de 6 a 10 participantes.
  • Informar aos participantes de qual problema se irá tratar, com antecedência.
  • Escrever o problema em letras grandes, em um quadro.
  • Um ideia de cada vez.
  • Usar notas de papel autoadesivas (post-it). O participante levanta a mão, descreve a ideia e vai ao quadro afixá-la.
  • O Brainstorm deve ser curto, não passar de 1 hora.
  • Selecionar um grupo de cerca de três pessoas para avaliar e descartar as ideias não aplicáveis (de forma seria, sem gozação ou brincadeiras), grupar as demais ideias por similaridade, e de cada grupo de ideias similares, buscar uma sentença ou pequeno texto que as unifique.
  • Discutir e selecionar a mais adequada dentre as ideias condensadas no item anterior.
Por: Rodolfo Stonner- http://blogtek.com.br

Chega de Trabalho Duro

 A sociedade em que vivemos é uma sociedade voltada para o trabalho, portanto, é difícil escapar ao fato de que somos incentivados a trabalhar duro para conseguir o que queremos. 

Desde pequenos ouvimos dizer que bens materiais, reconhecimento, valorização e sucesso custam caro. Em geral, somos levados a imaginar que fama e fortuna estão disponíveis somente para aqueles que trabalham mais e assim chegamos ao ponto de acreditar que uma vida modesta, desprendida de esforço, nos impedirá de conseguir aquilo que desejamos. 

De fato, o trabalho duro pode até ajudá-lo a enriquecer rapidamente, mas não significa virá que acompanhado de felicidade. Aliás, riqueza e felicidade geralmente andam distantes. Dia desses li uma reportagem sobre Warren Buffet, um dos investidores mais ricos do mundo, onde ele dizia categoricamente: “eu daria todo o meu dinheiro para ser reconhecido como um grande filósofo”, ou seja, não apenas como um dos homens mais ricos do mundo. Ser rico não diz muito.

Assim como milhares de pessoas ao redor do mundo, fomos programados desde pequenos para estudar mais, trabalhar duro, correr atrás do prejuízo e viver intensamente os primeiros anos para garantir uma velhice tranquila, portanto, ser taxado de “vagabundo” ou mesmo “folgado” não faz parte dos nossos planos, pelo menos até conseguirmos uma reserva suficiente para chutarmos o balde a fim de viver, de fato, como gostaríamos.

Não existe a menor dúvida de que a preocupação exacerbada com a segurança nos afasta cada vez mais do bem-estar e da felicidade, no sentido pleno, portanto, a independência financeira pode até nos trazer uma falsa sensação de liberdade, mas não garante a segurança física, psicológica ou econômica, pois estas são difíceis de encontrar. As pessoas que conseguem subir na vida e acumular mais dinheiro também acumulam mais problemas do que o necessário.

Lembre-se de Henry Ford e sua frase mais famosa: “se o dinheiro é sua única esperança de atingir a independência, você jamais a terá. A única segurança real que um homem pode ter neste mundo é uma reserva de conhecimentos, experiências e habilidades.” Você conhece algum emprego seguro, estável e tranquilo? Você nunca terá os três adjetivos ao mesmo tempo enquanto for apenas alguém que corre atrás do dinheiro em vez do equilíbrio. Se você for um workaholic então, prepare-se para perder amigos, família, paz de espírito e energia vital. Sua prioridade será sempre o trabalho, o dinheiro e o sucesso a qualquer preço. Quem trabalha mais produz menos, em termos qualitativos.

De maneira geral, as pessoas não escolhem suas carreiras, são absorvidas integralmente por elas, portanto, quanto mais distante você estiver da vocação original, mais infeliz e absorvido pelo trabalho você será. Quanto mais você quiser acumular, status, moradia, carros de luxo, casa na praia, etc., mais será absorvido pelas dificuldades financeiras ao longo da vida. Quantas pessoas vivem uma vida de luxo e fantasia e só se dão conta da realidade quando passaram a receber aquela mísera pensão da aposentadoria que não é suficiente nem para pagar os remédios que a velhice exige delas.

Que coisa interessante! Note que mesmo quando afirmamos que dinheiro não traz felicidade, nunca deixamos de sonhar em ter pelo menos um milhão na conta ou de acertar na mega sena, não apenas pela falsa segurança que o dinheiro parece nos proporcionar, mas pela falsa sensação de que, no fundo, pode resolver todos os nossos problemas. Como diria Ernie Zelinski, escritor americano, o dinheiro resolve todos os nossos problemas, exceto aqueles que ele não resolve.

A grande ironia de tudo isso é que quando não existe prazer no trabalho, resta-nos a busca desenfreada por dinheiro e bens materiais, como válvula de escape ou como tentativa de dar algum sentido à vida. Um carro importado ou um carro de luxo pode significar uma “recompensa” por ter que lidar com algo que não lhe dá prazer nem sentido de realização. O status do seu chefe acaba se tornando o seu status e isso é a mais completa escravidão.

Os antigos gregos defendiam a distribuição equilibrada do tempo, algo como oito horas para trabalhar, oito horas para o lazer, família e educação e oito horas para dormir. Seria a única forma de manter o equilíbrio saudável e necessário para o aproveitamento máximo das nossas potencialidades. Portanto, se você trabalha mais de 8 horas por dia, deve repensar imediatamente a sua profissão. Manter-se focado exclusivamente no trabalho significa abrir mão de coisas valiosas como a companhia dos seus filhos, da sua esposa e da própria saúde, a menos que isso não tenha qualquer importância na sua vida.

Para que serve uma mansão enorme se você passa dois terços do dia trabalhando e chega em casa apenas para dormir? Para ser ainda mais direto, para que serve uma família se você passa o tempo todo viajando, correndo atrás do dinheiro? Para que serve um alto cargo na empresa se o deixa estressado, infeliz e cada vez mais distante do seu objetivo de vida? Nas palavras de Ernie Zelinski, ter sucesso no trabalho é irrelevante se você for um fracasso em casa.

Por fim, jamais confie no que inspira as outras pessoas a escolherem uma vida, profissão ou carreira. Confie apenas naquilo que o inspira desde o primeiro instante. Nunca permita que a sua intuição seja atropelada pelo conselho de alguém que não faz o que gosta e ainda pede que você continue fazendo o que não gosta porque o mundo é assim mesmo. Vender a sua alma por um ótimo salário e um cargo da maior importância na empresa pode lhe custar o futuro.

O principal objetivo na vida deve ser uma vida plena, feliz, equilibrada, independentemente da quantidade de dinheiro acumulada. Não faz sentido ganhar dinheiro e não ter tempo de usufruí-lo, portanto, saiba quando, quanto e como se esforçar no trabalho. De acordo com Don Herold, escritor e humorista americano, a infelicidade é não saber o que desejamos e nos matar para consegui-lo. Pense nisso e seja feliz!

Fonte: Jerônimo Mendes - http://www.qualidadebrasil.com.br/

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Dicas para Vencer o Stress Pré-Apresentações

Mark Twain, escritor e humorista norte-americano, dizia que existem dois tipos de apresentadores: os nervosos e os que mentem não estarem nervosos.

Entrando um pouco num terreno do comportamento humano nos deparamos com uma
estatística interessante sobre os considerados TOP5 dos nossos medos:
Entrando um pouco num terreno do comportamento humano nos deparamos com uma estatística interessante sobre os considerados TOP5 dos nossos medos:

  1. Glossofobia.
  2. Altura.
  3. Insetos.
  4. Problemas financeiros.
  5. Águas profundas.

Nem todo mundo sabe o que significa Glossofobia. É o famoso medo de falar em público ou  mesmo de falar de forma geral. É um medo genuíno, mas certamente existem formas de  driblar a ansiedade e falar em público com mais confiança e desenvoltura.

Nosso cérebro é cheio de recursos e instintivamente não irá querer nos colocar na posição de presa. Chamamos de posição de presa, pois você está em um local com dezenas, centena e até milhares de olhos direcionados sobre sua pessoa.  

Sentimo-nos vigiados, prestes a sermos abatidos pela nossa audiência, presa e predadores. 

Eis nosso grande dilema: se queremos ou devemos apresentar nossas ideias, teremos que lutar contra a ansiedade e a vontade de sumir do local da apresentação.

Compilamos algumas dicas preciosas para ajuda-lo a se preparar, diminuir a ansiedade e fazer uma bela apresentação:
  1. Conheça profundamente o conteúdo que irá apresentar;
  2. Esteja preparado. Faça o dever de casa e se prepare para o que irá apresentar;
  3. Pratique pelo menos cinco vezes em voz alta;
  4. Não memorize, internalize;
  5. Mostre o que irá fazer a seus amigos e familiares mais próximos e peça um feedback;
  6. Grave você mesmo com uma câmera ou gravador de voz. E depois escute ou veja a si mesmo;
  7. Vista uma roupa confortável e que te dê segurança;
  8. Chegue cedo ao local da apresentação para se familiarizar com o ambiente;
  9. Teste a tecnologia. Não seja aquela pessoa que na hora da apresentação fica atrapalhado com os aparelhos;
  10. Circule um pouco entre as pessoas antes da apresentação;
  11. Prepare uma introdução interessante. Geralmente as introduções bem feitas geram confiança para o restante da apresentação;
  12. Tente controla a respiração. Relaxe.
Nem sempre temos tempo disponível para seguir todos os pontos listados acima, mas são importantes dicas para nos dar confiança em falar em público.
Boa sorte em suas próximas apresentações.



Fonte: Redação Qualidade Brasil - http://www.qualidadebrasil.com.br/

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Comportamentos Inadequados no Ambiente Profissional

Muito se tem ouvido falar sobre a importância de comportamentos adequados para o crescimento profissional dos indivíduos nas organizações. 
O que mais verificamos no dia a dia das empresas são profissionais contratados por possuírem uma formação técnica invejável, mas que acabam sendo desligados por não adotarem atitudes básicas para trabalhar com eficiência em equipe ou por não seguir as políticas e diretrizes impostas por seus superiores.
Dentre os principais comportamentos inadequados que podem atrapalhar o crescimento de qualquer profissional, destacam-se:
1. Dificuldade de trabalhar em equipe - independentemente da função que você exerça em uma empresa é imprescindível que aprenda a trabalhar em sinergia com outras pessoas. Muitos profissionais que apresentam dificuldade em aceitar opiniões diversas e em lidar com personalidades diferentes da sua, tendem a se isolar no ambiente de trabalho, gerando um clima desagradável e impedindo a troca de experiências, que podem contribuir para a melhoria dos resultados organizacionais.
2. Trazer problemas pessoais para o ambiente de trabalho em excesso - hoje já é consenso de que as pessoas são seres sistêmicos e que necessitam reconhecer o interesse de seus líderes em sua vida pessoal, incluindo sonhos de vida, dificuldades enfrentadas no contexto familiar, etc. No entanto, muitas pessoas tem se aproveitado dessa abertura nas empresas para justificar constantes atrasos, falta de comprometimento e motivação para realização das tarefas profissionais devido a crises pessoais. Nesse caso, utilizar o bom senso pode ser um bom caminho para evitar que um problema transforme-se em dois, com o desligamento da empresa onde atua.
3. Utilização de redes sociais e internet em demasia - se perguntarmos aos funcionários de qualquer empresa sobre qual o grande vilão para a produtividade, sem dúvida nenhuma a resposta será a falta de tempo e excesso de atribuições. Apesar da correria que realmente toma conta do mundo dos negócios, muitos profissionais se prestam a passar horas do seu dia acessando redes sociais ou sites de assuntos diversos, que nada contribuem para a sua função. Aprender a gerenciar o tempo com maestria é fundamental para facilitar o crescimento profissional em qualquer área de atuação.
4. Falta de organização - outro ponto que contribuí muito para a queda de produtividade das pessoas no ambiente de trabalho é a falta de organização para armazenar dados e informações. A falta de critério para guardar documentos, sejam eles impressos ou digitais, acaba dificultando a agilidade na resolução de tarefas, bem como gerando retrabalho para o próprio profissional ou para outros que dependem da informação para realizar suas atividades.
5. Dificuldade em receber feedbacks - todos nós temos uma visão limitada sobre o que realmente fazemos muito bem e sobre alguns pontos que poderiam ser melhorados. Dessa forma, a função daqueles que estão em cargo de liderança é de apoiarem o desenvolvimento de seus subordinados a fim de contribuírem para o seu desenvolvimento profissional. O que ocorre, no entanto, é que ainda não nos acostumamos a receber críticas, mesmo que elas sejam imprescindíveis para o nosso crescimento.


Com base nos itens acima, as dicas que ficam para aqueles profissionais que estão decididos a construir uma carreira de sucesso são:
  • Mantenha acionado constantemente o seu auto-observador. Esteja atento às suas atitudes para evitar que ações inconscientes atrapalhem o seu crescimento profissional;

  • Faça rodadas de feedbacks informais com pessoas que você confie, perguntando a eles quais são os pontos fortes e fracos que percebem no seu desempenho profissional;

  • Monte planos de ações para apoiá-lo a superar quaisquer desses comportamentos limitantes; e

  • Busque desenvolver inteligência emocional para aprender a lidar melhor com você mesmo e com os demais colegas de trabalho.
Por: Ana Paula Platt - www.administradores.com.br