QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Estresse no Ambiente de Trabalho


ESTRESSE NO TRABALHO


O estresse é um dos muitos fatores que podem influenciar o comportamento das pessoas dentro do ambiente de trabalho, muito deles podem ser externos (fatores ambientais) e internos (dentro da organização). Alguns desses fatores são: programação das tarefas, ritmo do trabalho, segurança de emprego, caminho entre casa e trabalho, ruído no local de trabalho e quantidade e tipos de clientes. (DESSLER, 2003)

“O estresse consiste numa condição dinâmica em que o indivíduo é confrontado com uma oportunidade, restrição ou exigência relacionada com o que ele deseja, e para o qual o resultado visto como incerto.” Robbins, (2004, p.153):

Os funcionários são cobrados por bons atendimentos, são pressionados por resultados, ao ponto às vezes de não conseguirem chegar ao objetivo proposto, e admitem comportamentos inesperados, não por não possuírem capacidade, mas porque todas as questões por eles trabalhadas se aglomeraram causando distúrbios mentais, como estresse.
O estresse no trabalho tem graves consequências para o funcionário e para a empresa. Entre as consequências humanas desse estresse estão: ansiedade, depressão, raiva, doenças cardiovasculares, dor de cabeça e acidentes. Para a empresa, as consequências podem ser: redução da quantidade e da qualidade do desempenho, crescimento do absenteísmo e da rotatividade e aumento dos custos com queixas e assistência médica. Um estudo feito entre 46 mil funcionários conclui que a assistência à saúde custava 46 por cento mais para os trabalhadores com altos níveis de estresse que para os seus colegas menos estressados. (DESSLER, 2003).

ESTRESSE E O ABSENTEÍSMO

O estresse é um fator preocupante atualmente, pois as organizações estão crescendo e aumentando o número de atividades e funções, e muitas atividades podem causar certas distorções mentais facilitando o estresse, e dependendo da atividade e setor a pessoa pode até adoecer, por isso é necessário ter programas de qualidade de vida incentivado pela empresa para a diminuição dessas causas que podem fazer o funcionário se ausentar por um período de tempo.


Podemos perceber que muitos são os fatores que podem influenciar no aumento do estresse dentro da organização, às vezes até a falta de algum material essencial para a realização das atividades diárias, pode ser um fator de estresse. Pessoas estressadas estão mais propensas a se ausentarem da empresa, pois o problema pode aumentar e causar certos riscos, facilitando com que o colaborador se ausente.

O conceito de estresse varia de acordo com o pesquisador. A maioria concorda que um nível baixo de estresse é até necessário e, muitas vezes, melhora o desempenho no trabalho. Porém quando o nível de estresse atinge patamares elevados, os problemas causados são gravíssimos. (FIDELIS, 2007).

Estresse é o conjunto de relações que o organismo desenvolve ao ser submetido a uma situação que exige esforço e adaptação, e esses esforços podem convergir para o positivismo ou negativismo, dependendo da situação enfrentada diariamente pela pessoa na submissão aos esforços. (CARVALHO,2002).

SINTOMAS DO ESTRESSE


       Sintomas físicos – deve-se às reações orgânicas ao estresse que acontecem devido à ativação hormonal que gera mudanças no metabolismo, aumento dos ritmos cardíaco e respiratório, aumento da pressão sanguínea, dores de cabeça e até ataques do coração.

       Sintomas psicológicos – geralmente ligados à insatisfação. Quando relacionado ao trabalho, pode levar à insatisfação no trabalho que é o efeito psicológico mais simples e óbvio do estresse.

       Sintomas comportamentais – estes quando relacionados ao trabalho, induzem mudanças na produtividade, absenteísmo e rotatividade, bem como mudanças nos hábitos alimentares, fala mais rápida, inquietação e distúrbios do sono, além de colaborar para o aumento do consumo de álcool e tabaco.


Copiado: http://absenteismonasorganizacoes.blogspot.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário