QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

sexta-feira, 28 de março de 2014

Proatividade: Dom ou Aprendizado?

"As coisas chegam para aqueles que esperam, mas somente as coisas deixadas por aqueles que agem rápido." Abraham Lincoln

Por que poucas pessoas conseguem resultados altamente produtivos em suas vidas, fazendo pouco esforço e muitas, apesar de se esforçarem tanto, não conseguem essas realizações? 

  • O que torna as primeiras altamente proativas e assertivas é um dom natural? 
  • Será que isso significa que as outras estão condenadas a contentarem-se com o que sobrou para elas?

A proatividade (termo originário do inglês proactive) significa as habilidades de alguém em antecipar soluções para problemas futuros, antecipar tendências e ideias, inovar, aproveitar oportunidades, etc. Em sítese, significa ter habilidades para mudar eventos no lugar de reagir ou se adaptar a eles.

A ideia deste artigo é discutir sobre o que faz com que somente algumas pessoas consigam ter essas habilidades em detrimento da ausência delas na maioria das pessoas.

Proatividade, dom ou aprendizado?

Você está numa caverna escura e deserta. Sua lanterna está com as pilhas fracas. Contar com uma fonte de luz é uma das condições para que você saía de lá com segurança. Se ficar com a lanterna acesa por todo o tempo as pilhas se esgotarão e você ficará na escuridão para sempre ou até que alguém o tire de lá. 

Nesse caso, sua sorte estará entregue a esse suposto alguém. Outra estratégia seria você utilizar a lanterna para verificar o ponto até onde deve chegar, apagá-la e andar no escuro até lá e assim sucessivamente. Isso é um exemplo de proatividade. Considerar a hipótese de você ter levado pilhas reservas será uma dose extra de assertividade.

As pessoas proativas são, em essência, também assertivas. Isso significa que além de saber o que fazer e contar com os recursos, elas detectam o momento exato de fazer um movimento em direção aos seus objetivos ou transformam um momento num objetivo, naquele exato momento. Proatividade pode ser o senso de oportunidade e é isso que faz com que pessoas proativas se antecipem aos demais e promovam acontecimentos inesperados.

A intuição é uma das armas dos proativos e a indústria possui exemplos interessantes disso. O desenvolvimento de produtos normalmente é antecipado por caras e demoradas pesquisas de mercado. Essas pesquisas visam a antecipar o que os consumidores desejam. A Apple, por exemplo, é aversa às pesquisas. Seus produtos são revolucionários, como é o caso do Ipod e Iphone, nos quais não houve um só centavo investido em tentar descobrir o que os consumidores desejariam de um produto inovador. A Apple simplesmente fez as inovações e as divulgaram como sendo aquilo que a maioria das pessoas almejava.

A proatividade eleva os riscos de erro de quem a pratica. Isso porque o proativo não espera ter certeza para agir. Ele apenas acredita em si, em suas idéias e trabalha para que elas sejam bem conduzidas. As pessoas de maior iniciativa são propensas à proatividade. E isso não tem nada a ver com dom ou aptidão. Tem a ver com as crenças e os mecanismos internos da própria pessoa e a maneira com que ela se relaciona consigo mesma e com o que a cerca.

Os desprovidos de proatividade são, normalmente, muito bem dotados de diálogos internos limitantes que elevam sua autocrítica e os transformam em verdadeiros indecisos. Diante de uma oportunidade essas pessoas se fazem uma infinidade de questionamentos sobre todas as possibilidades de aquilo dar errado. 

Os indecisos são inseguros e dão valor exarcebado a opinião dos outros, valorizando sobremaneira aquelas opiniões divergentes do que poderia dar certo, se preocupam demais com a possibilidade de alguém não gostar do que fariam. Isso mesmo, fariam. Porque normalmente não fazem. Aí um proativo o faz e eles o julgam bem aventurado, se dizem azarados. Ora, seria demais acreditar que alguém nasce assim. Proatividade é aprendizado e a falta dela também.

Outra habilidade inerente aos proativos é o acesso à informação, eles sabem o que acontece à sua volta, ficam antenados aos assuntos que os rodeiam e sabem tirar proveito das oportunidades que surgem. Isso não significa que são muitíssimo bem informados. Mas dão atenção às informações qualificadas no meio em que atuam. Eles podem possuir poucos pontos de apoio, mas sabem alavancá-los bem. É como aqueles jogos de ligar pontos, os proativos sabem lincar as coisas e construir cenários. 

Visão sistêmica e imaginação são essenciais ao desenvolvimento da proatividade. A maioria das pessoas proativas adota termos de possibilidade como “pode ser”; “e se”; “como ficaria”; “talvez”, etc. Os não proativos, normalmente, são adeptos de certezas, sendo a preferida “isso pode dar errado”.

Você não precisa ter certeza de nada, nem mesmo se é ou não proativo. Na dúvida, que tal buscar o desenvolvimento dessas habilidades? Afinal, proatividade é como condicionamento físico e aprendizagem, quanto mais você faz e se fortalece mais precisa fazer para continuar crescendo.

Copiado: http://cursocoachingpnl.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário