QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, VIATNT e AGUASHOW), Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Sistema Toyota de Produção (TPS): Origem e Definições

O cenário atual é marcado por fortes mudanças que estão virando pelo avesso a maneira de trabalhar, produzir, atender ao cliente, criar valor e agregar riqueza. Por essas razões, a produção de bens e serviços não é mais a mesma. Aparece agora uma empresa enxuta preocupada com uma maior flexibilidade, alta produtividade, estoques baixos, exposição de problemas, menor tempo de entrega produtos e serviços, custos baixos, atividades com valor agregado e pessoas totalmente envolvidas.
É nesse contexto que cresce o sucesso do TPS em todo o mundo devido aos resultados obtidos pela Toyota Motors Company. O fato é que a liderança industrial que ultrapassou a General Motors e outros fabricantes renomados, em quantidade de veículos produzidos, valor de mercado e lucro, fizeram com que outras empresas começassem a desenvolver estudos com o intuito de entender o segredo da Toyota que é hoje copiada pelos seus concorrentes, assim como também, por outras dos mais diferentes setores.
Ocorre que a diferença cada vez maior entre a Toyota e as outras companhias fez com que muitas perguntas surgissem. Dentre essas perguntas, a mais intrigante é: “Qual o segredo do sucesso da Toyota?”. Portanto, o desafio das empresas, desde então, é copiar o modelo na tentativa de alcançar os mesmos resultados e transformar as operações em uma vantagem competitiva com o intuito de sobreviver a acirrada disputa global, através da redução dos custos e, ao mesmo tempo, da produção de pequenas quantidades de muitos tipos de produtos. 
O problema é que essa iniciativa das empresas em melhorar a qualidade com custos menores é forçada pelas exigências dos clientes e pela competitividade global, pois, para competir com eficácia neste ambiente altamente competitivo, as empresas devem continuamente inovar e buscar aprimoramento contínuo das vantagens competitivas. 

Nesse contexto, a Toyota desponta como liderança global em obter melhores resultados com o menor custo, pois, realmente transformou a operação em um diferencial competitivo e estratégico baseado em ferramentas e métodos de melhoria continua da manufatura.
O fato é que o chamado Toyota Production System - TPS ou ainda, Sistema Toyota de Produção, vem sendo aclamado como a origem do espetacular desempenho da Toyota como fabricante. 

No entanto, para o começo da nossa jornada, surgem as seguintes perguntas: Como surgiu o TPS?. O que há de novo? Quais técnicas estão inseridas no TPS?
O TPS surgiu de um estudo realizado por Eiji Toyoda juntamente com seu principal engenheiro de produção Taiichi Ohno sobre outro modelo já existente aplicado na fábrica da Ford, até então a unidade mais eficiente e complexa do mundo. O modelo de produção em massa, criado por Henry Ford, contrapôs o antigo modelo de produção que construía centenas de automóveis por ano, todos eles fabricados pelo clássico sistema artesanal. Nesse período, o volume de produção era muito baixo quando comparado aos dias atuais. Produzia-se cerca de mil carros por ano e, dificilmente, seriam encontrados dois carros idênticos.
Durante as visitas as fábricas da Ford para estudar o modelo de produção em massa, Toyoda e Ohno perceberam que o pequeno mercado e com demandas fragmentadas não iria suportar altos volumes de produção. Portanto, para sobreviver, os gerentes perceberam que era necessário fazer uma adaptação ao mercado japonês, isto é, um contraste a filosofia Ford da época, pois eram necessários baixos volumes e com diferentes modelos usando a mesma linha de montagem. Portanto, a necessidade do mercado japonês exigia qualidade, custo baixo, lead-time curto e flexibilidade.
Ainda nas visitas de estudo as fabricas americanas, em 1950, os gerentes da Toyota observaram muitos equipamentos produzindo grandes quantidades e formando estoques que seriam transferidos para outro processo e assim por diante. Esse tipo de processo causava o acumulo de estoques intermediários decorrente do excesso de produção e defeitos escondidos em grandes lotes acumulados por semanas.
Desta forma, por meio do benchmarking realizado nas visitas a Ford, a Toyota aproveitou a ideia da linha de montagem contínua da Ford, porém, implementando a melhoria de redução dos desperdícios. Estabeleceu-se então a produção puxada conforme a necessidade do cliente, inspirado nos supermercados que abasteciam as prateleiras somente após a necessidade do produto na mesma, e o fluxo contínuo com o (one-piece-flow) fluxo puxado um a um. 

Também se desenvolveu o sistema Just-in-Time (um sistema de administração da produção que determina que nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora certa). Com esse sistema de trabalho, pode-se reduzir drasticamente os estoques vistos nas fábricas da Ford, através de um alerta visual que indicava ao processo anterior quando era necessária a reposição do produto. Alerta este chamado de Kanban (significado de cartão).
Também os gerentes começaram a usar um método para solucionar problemas chamado de PDCA (Plan – planejar; Do – fazer; Check – verificar/controlar; Act – agir) que é um dos pilares da melhoria continua. É essa melhoria contínua, chamada de Kaizen, que faz uso do trabalho em equipes para a solução de problemas, documentando e melhorando processos, coletando e analisando dados. Foi nesse contexto que o TPS passou a ser reconhecido como uma filosofia não só para a fábrica da Toyota, mas também para todos os componentes que compõem o sistema de negócio Toyota na Supply Chain (cadeia de abastecimento).
Portanto, foi esse benchmarking com as empresas americanas que proporcionou o primeiro passo da Toyota para entender os processos, as atividades e as estratégias dos competidores, reconhecendo seu impacto na própria cultura organizacional e, principalmente, promovendo melhorias no sistema interno com intuito de fazer as adaptações necessárias à própria realidade. Atualmente, a Toyota está sempre pensando em ensinar e reforçar o sistema de valores que os fundadores deixaram, tais como o botar a mão na massa, inovação e atuar na causa raiz dos problemas baseado em fatos. Esse é o legado e a filosofia da família Toyota.
Atualmente, outras empresas usam um termo ocidentalizado chamado de Lean Manufacturing que significa Manufatura Enxuta (ME). Esse termo foi cunhado no livro ‘A Máquina que Mudou o Mundo’, que trata de um amplo estudo sobre o TPS. Os autores popularizaram esse termo no ocidente por meio dos resultados de uma pesquisa realizada pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) sobre uma descrição abrangente de todo o sistema de negócios da Toyota, tais como: desenvolvimento de produtos, gerenciamento de suprimentos, relações com os consumidores, atendimento dos pedidos desde a matéria prima até a produção e o gerenciamento de toda a empresa.
Portanto, a partir da publicação do estudo no MIT, o Lean Manufacturing tem sido o modelo de gestão escolhido pelas empresas que tentam implantar em suas fábricas as mesmas práticas diferenciadas do TPS, a fim de atingir os mesmos níveis de desempenho da Toyota.
Ocorre que coexistem várias outras definições para a ME. Por exemplo, como uma abordagem que busca uma forma melhor de organizar e gerenciar os relacionamentos de uma empresa com seus clientes, cadeia de fornecedores, desenvolvimento de produtos e operações de produção, segundo a qual é possível fazer cada vez mais com menos (menor quantidade de equipamento, menor esforço humano, menor tempo, menor custo, etc.).
Outra definição afirma que é uma abordagem que engloba uma ampla variedade de práticas gerenciais, incluindo o just-in-time, sistemas de qualidade, manufatura celular, entre outros. Há autores mais radicais que definem o poder do TPS através de uma analogia, afirmando que o modelo de gestão é tão poderoso que poderia extrair água torcendo uma toalha seca. 
O fato é que o TPS ou Lean Manufacturing é hoje uma filosofia organizacional copiada e disseminada em todos os setores produtivos do mundo todo, inclusive em ramos totalmente diferente da origem Toyota.

Copiado: http://marcelojusta.blogspot.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário