QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Gestão Opressora

Ludwig Wittgenstein filósofo austríaco considerado um dos maiores do século XX, disse que "Os limites da minha linguagem são também os limites do meu pensamento".

Uma das competências essenciais atemporais para o sucesso nas organizações é a comunicação.  

O principio é basicamente simples apesar disso não significar que seja fácil. Uma mesma mensagem passada a todos os funcionários não pode ser compreendida de forma distinta por cada um deles, pois acarretaria no risco de não atingir as metas e objetivos da organização nos prazos acordados.

Segundo Paul Grice filósofo britânico especialista em linguagem existe um conjunto de máximas que ele chama de principio da cooperação, elas garantem a clareza, coerência e objetividade da comunicação.

 São elas: 
  • Da Quantidade de informação necessária a ser passada; 
  • da relação entre as informações relevantes ao assunto tratado; 
  • da relevância do assunto em relação ao objetivo da conversa e do modo, qual o vocabulário pertinente para passar estas informações.


Baseado nestas máximas pode-se inferir que, por exemplo, o “estrangeirismo” usado em excesso nestes chamados “jargões” ferem diretamente o modo e quantidade da informação, pois muitas vezes esses termos não são compreendidos, comprometendo assim completamente a clareza da mensagem.

Alem disso existem “modismos” importados de nações ou empresas que antes de ser esclarecidos, ou melhor, traduzidos para a linguagem local da organização são incorporados a linguagem da alta diretoria que começa a utilizá-los indiscriminadamente de forma opressiva aos demais colaboradores, na realidade sinalizando que eles detêm o poder e o conhecimento dentro da organização.

Com isso segundo o filosofo austríaco Ludwig Wittgenstein gerando uma limitação de pensamento do próprio gestor.

Por outro lado, segundo a gramática normativa o uso do “estrangeirismo” nos casos em que exista uma expressão equivalente na língua portuguesa é considerado um vicio de linguagem chamado de “barbarismo”, já que há muito tempo atrás para os latinos, qualquer estrangeiro era chamado de bárbaro. 

Se ampliarmos o significado do termo barbarismo, chegamos ao significado contemporâneo para crueldade, que se encaixa muito bem no ambiente corporativo atual de algumas empresas.

A crueldade organizacional sustenta o exercício do poder organizacional através de algumas ferramentas como: manipulação da comunicação; centralização do conhecimento; insensibilidade burocrática; estrutura impessoal de gestão.

Esta crueldade organizacional propicia um ambiente fértil para a implementação desta gestão opressora tanto dos colaboradores (clientes internos) como dos clientes propriamente ditos.
Indo assim de encontro ao conceito de gestão moderna baseada na delegação como ferramenta de desenvolvimento, liderança compartilhada, transparência de informação, negociação, respeito, comprometimento, inovação e principalmente voltada para resultados.

Em minha opinião todas as empresas estão inseridas neste ambiente de crueldade e praticam em algum grau este estilo de gestão opressora conscientemente ou inconscientemente.  

Usemos o exemplo de insensibilidade burocrática, basta observar o atendimento despendido ao cliente por grandes empresas que se escondem atrás da burocracia ao se relacionar com os seus clientes.

Não concorda! Então experimente reclamar do produto ou serviço da maioria das organizações que atuam no setor aéreo, telefonia, montadoras, saúde, financeiro, e-commerce (olha o estrangeirismo), varejo dentre outros.

Nunca na historia da humanidade as pessoas tiveram tanto poder sobre as empresas seja dentro como fora delas.

Os colaboradores e gestores representam a parte de dentro da empresa, basta não ser competente, não fazer o que deve ser feito e se não aprimorar para comprometer os resultados da empresa. Já os clientes são a parte de fora, basta deixar de comprar os produtos ou serviços de determinada empresa para comprometer seus resultados. 

Saber qual o grau de gestão opressora e crueldade organizacional em sua empresa será determinante para a sua sobrevivência no século XXI. 

Fonte:Roberto Recinella  - http://www.qualidadebrasil.com.br/

4 comentários: