QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

quarta-feira, 22 de julho de 2015

O Uso de Metáforas na Gestão da Organização

Administrar organizações em um mundo globalizado, onde a tecnologia avança em uma velocidade exponencial e em ambientes altamente dinâmicos não é uma tarefa simples. Nos dias de hoje, isto requer grandes habilidades e estratégias eficientes e eficazes por parte dos gestores.
Em um cenário de alta concorrência e em constantes mudanças, podemos aplicar a Teoria da Seleção Natural de Darwin, muito estudada pelos biólogos, como uma metáfora para compreender a importância que as organizações devem dar à capacidade de se manterem sempre atualizadas: “na luta pela vida, não são os mais fortes nem os mais inteligentes que sobrevivem, mas os que melhor se adaptam às condições do ambiente”.
Gareth Morgan, em seu livro “Imagens da Organização”, utiliza muito bem o poder das metáforas como forma de analisar a organização e compreender o seu funcionamento. Segundo o autor, o uso das metáforas pode trazer ao gestor capacidade para ajudar a organização a se adaptar às exigências desse mundo dinâmico e turbulento.
De uma maneira muito interessante, o autor apresenta neste livro uma série de metáforas para as diferentes visões que podemos ter das organizações. Segundo ele, é importante que o gestor desenvolva habilidade de identificar e usar diferentes abordagens à administração e organização.
Esta habilidade, de fato, é um diferencial muito importante que o gestor levará consigo, haja vista que não existe nenhuma “receita de bolo” que possa ser aplicada a todas e quaisquer organizações, pois cada qual têm suas particularidades.
Como exemplo, pode-se citar aqui duas metáforas apresentadas pelo autor em seu livro. São pontos de vista diferentes para compreender o funcionamento de uma organização e, não apenas isso, para ajudar o gestor a encontrar itens que possam ser modificados para que a organização evolua: a metáfora do cérebro e a metáfora da cultura.
Na metáfora do cérebro, a organização é vista como um cérebro em constante funcionamento, capaz de armazenar e processar muitas informações, aprender, aprender a aprender, se auto organizar e se regenerar, dentre outras coisas.
Esta metáfora é muito complexa, tal como o funcionamento do cérebro, porém extremamente importante para que o gestor perceba que a organização possui, ou pode ser capaz de adquirir, algumas habilidades como as encontradas na preciosa massa encefálica.
Um ponto muito importante nesta metáfora é a capacidade de aprender a aprender, onde o autor cita como exemplo a cibernética e o aprendizado de circuito duplo, que nada mais é que a capacidade que a organização deve adquirir, através de seus recursos humanos, de analisar criticamente normas, procedimentos e processos e propor mudanças para que se adaptem à realidade. Ou seja, capacidade de questionar, desafiar e mudar quando necessário, para que a organização se mantenha no caminho certo.
Este aprendizado de circuito duplo é muito eficaz no que tange à adaptação da organização ao seu ambiente, porém, na prática, é difícil de ser concretizado, uma vez que a tendência é que as empresas burocratizadas se tornem especialistas no aprendizado de circuito único, devido aos sistemas de informação e controles que mantem a empresa em um determinado caminho, pré-estabelecido. Há muitas barreiras que impedem o aprendizado de circuito duplo, sendo que uma das dificuldades nos leva justamente para a próxima metáfora, que é a cultura. Para que o aprendizado de circuito duplo tenha sucesso, é necessário que a cultura da organização seja voltada à encorajar os seus gestores a assumirem riscos e promover mudanças.
Aplicando esta teoria da metáfora do cérebro na prática, podemos concluir que para contribuir para o seu sucesso a organização precisa, dentre outras coisas: ter um bom sistema para armazenar e gerenciar as informações, onde pessoas importantes para a organização tenham acesso de qualquer lugar que tiverem (processamento de informações); ter funcionários que conheçam toda a organização e não apenas suas partes, pois isso é extremamente importante para que a empresa não seja prejudicada quando funcionários se ausentarem ou deixarem de fazer parte do quadro (conceito holográfico, o todo em cada uma das partes); ter uma cultura que permita que os funcionários deem opiniões e mudem processos que não se enquadram mais à realidade (cibernética, apreender a apreender); ter funcionários que também sejam especialistas em determinadas áreas (conceito de especialização).
Na metáfora da cultura, por sua vez, as organizações são vistas como minissociedades, sendo que cada uma têm seus próprios valores, crenças, ideologias e rituais. O próprio conceito de cultura diz que diferentes grupos de pessoas têm diferentes modos de vida.  Esta metáfora, diferente da metáfora do cérebro, destaca mais a realidade das organizações, trazendo exemplos reais de empresas e países, sendo também bastante complexa e não menos importante.
Segundo o autor, nos dias de hoje vivemos em uma sociedade organizacional, onde as grandes organizações interferem o tempo todo na vida dos indivíduos e os fazem criar certos hábitos, tomarem certas atitudes, seguirem determinadas rotinas e etc.
Como é importante destacar as diferenças internacionais em organização e administração, o autor traz como exemplo a cultura organizacional que prevalece em três diferentes países: Japão, Grã-Bretanha e Estados Unidos.
No Japão destaca-se a cultura de cooperação, coletividade, espírito de colaboração, interdependência, interesses comuns, ajuda mútua, relações paternalistas, dentre outras. Já na Grã-Bretanha, a cultura é marcada por discórdia e uma profunda divisão, gerada pelo conflito de gerações. Nos EUA, por sua vez, o que prevalece é uma cultura que enfatiza a divisão, o individualismo, a competitividade, a preocupação em ganhar, etc.
Portanto, grandes diferenças nas culturas organizacionais em virtude da nacionalidade existem e devem ser levadas em consideração. Assim como existem também subculturas, dentro de uma determinada cultura, o que significa que raramente a cultura é homogênea, devido a diversidade dos indivíduos que compõem a organização. Isto é o que chamamos de cultura corporativa.
Esta cultura corporativa pode ser influenciada por vários motivos, como por exemplo, pelo estilo de liderança, sexo, raça, etnia e grupos religiosos.
Outro fator muito importante da cultura é que ela ultrapassa o limite do que os olhos podem ver, sendo que importantes aspectos podem ser difíceis de serem identificados. Ou seja, é preciso ir a fundo para que se possa realmente conhecer a cultura da organização.
Na prática, esta metáfora consiste em auxiliar o gestor a gerenciar de forma eficiente e eficaz processos que interferem  na cultura de sua organização, tomando certas atitudes, como por exemplo: não permitindo que as diferenças existentes entre os funcionários prejudiquem o bom andamento dos processos; gerenciando conflitos que possam vir a acontecer; criando um bom clima de trabalho, onde as pessoas se sintam à vontade e tenham qualidade de vida; semeando, em cada funcionário, a ideia central da organização; construindo uma cultura coesa, forte, que possa ser facilmente interpretada pelos funcionários; adotando, portanto, um estilo de gestão que vá de encontro aos valores da organização. É um desafio e tanto para os gestores.
Como podemos ver, o uso de metáforas para compreender o funcionamento da organização e propor melhorias é muito interessante e, se usado corretamente, pode contribuir para o seu progresso. Utilizando as metáforas como forma de compreender a organização, a análise se torna mais fácil e simples de entender. Com isso, o uso das metáforas traz melhores resultados se comparado às teorias da administração que limitam-se apenas a conceituar atividades, métodos, processos, dentre outros. As metáforas devem ser usadas em conjunto, pois uma complementa ou exclui alguns aspectos das outras.
Apesar de muito vantajosas, as metáforas também têm fortes limitações que devem ser levadas em consideração. O gestor que conseguir fazer uso deste recurso com discernimento com certeza contribuirá para o sucesso da organização em que atua e, não apenas isso, para o seu próprio sucesso como profissional e líder.


Nenhum comentário:

Postar um comentário