QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Custos Invisíveis na Empresa: Cuidado


Você conhece todos os custos de sua empresa? 

Eles são apurados de forma consistente e considerados apropriadamente na composição dos preços? Será que não existe nenhum custo escondido relevante que você não está considerando?

Possivelmente as respostas não serão iguais, mas acredito que a maioria esmagadora afirmará que todos os custos são conhecidos e com maior ou menor grau de acertividade, são computados em suas bases de dados e para determinação dos preços.

Será que essa provável conclusão é verdadeira? Será que as empresas estão atentas à todas as questões que podem onerar seus custos ?

A realidade é que as pessoas e as empresas trabalham com evidências e fatos e; conseqüentemente, somente os dados quantificáveis e/ou valorizáveis são considerados na apuração dos custos. Assim, neste tópico não vamos tratar dos custos quantificáveis variáveis ou fixos, mas sim daqueles que sabemos existir, os quais nos habituamos a conviver e que, no entanto, são capazes de corroer as bases de tantas empresas – como a sua - solidamente constituídas.

Mas de que custos estamos falando?

Para facilitar a compreensão, vamos agrupá-los em seis diferentes campos, a saber:

· Relações Humanas
· Controles
· Pessoal
· Recursos Materiais
· Gestão
· Treinamento / Qualidade

I. RELAÇÕES HUMANAS

  1. O custo de um clima organizacional ruim, gerado, entre outras, pela permissividade em relação aos boatos, fofocas e politicagem interna.
  2. O custo da aceitação natural de críticas destrutivas, boicotes e resistências.
  3. O custo de sistemas de comunicação ineficientes que alimentam mal-entendidos e inviabilizam a harmonia interna.
  4. Os custos em não saber aproveitar e direcionar adequadamente os talentos internos.
  5. Os custos decorrentes da inexistência ou falta de diálogo e da falta de sintonia entre as pessoas.
  6. Os custos gerados pela falta de autenticidade, falsidade e desgastes entre as pessoas.
  7. Os custos da apatia e do isolamento das pessoas.
II. CONTROLES

  1. Os custos gerados pela desconfiança e criação de controles internos em excesso.
  2. Os custos oriundos do excesso de informação e de dados desnecessários que não agregam nenhum valor.
  3. O custo da inexistência ou falta de controles.
  4. O custo da falta de organização.
  5. Os custos decorrentes do excesso de burocracia.
III. PESSOAL

  1. O custo da falta de motivação e interesse.
  2. Os custos da inexistência de cooperação entre as pessoas.
  3. Os custos da competição predatória.
  4. Os custos da exteriorização de riqueza, exibicionismo e necessidade de “status”.
  5. Os custos que bloqueiam o aprendizado, gerados pela prepotência e arrogância de muitas pessoas.
  6. Custos da permissividade em relação aos “quebra-galhos”, “mais ou menos” e “gambiarras”.
  7. O custo da desmotivação e da postura “ não é problema meu!”.
  8. Os custos gerados pela inexistência ou falta de criatividade e bom humor.

IV. RECURSOS MATERIAIS

  1. Os custos gerados pela ociosidade dos Ativos.
  2. Os custos decorrentes do mau uso dos bens e instalações.
  3. Os custos advindos da utilização de tecnologias ultrapassadas e obsoletas.
  4. Os custos da conveniência e manutenção de estoques de “segurança” acima do razoável.
  5. Os custos da falta de manutenção ou da manutenção excessiva.
  6. Os custos da aceitação de estruturas super dimensionadas.
V. GESTÃO

  1. Os custos da utilização de sistemas e processos obsoletos.
  2. Os custos da falta de austeridade no trato de tudo que se relaciona à empresa.
  3. Os custos da falta de planejamento e do planejamento focado no “curto prazo”.
  4. Os custos da falta de lideranças naturais e da existência de lideranças omissas e ausentes.
  5. Os custos do “turnover” de funcionários.
  6. Os custos da execução de trabalhos em duplicidade.
  7. Os custos da morosidade no processo decisório.
  8. Os custos decorrentes de decisões baseadas em análises superficiais.
  9. Os custos de negociações mal conduzidas e com baixo nível de compromisso e exigência.
  10. Os custos em querer “reinventar a roda”.
  11. Os custos decorrentes da incoerência nas decisões entre produzir internamente ou terceirizar.
  12. Os custos de manter procedimentos e tomar decisões baseadas na “memória institucional” – do tipo: “foi assim que nós crescemos!”, “isso sempre deu certo!”.
VI. TREINAMENTO / QUALIDADE

  1. Os custos do refazer, do corrigir e/ou do compensar os erros.
  2. Os custos não apurados dos desperdícios dos itens não produtivos.
  3. Os custos da “qualidade a qualquer preço”.
  4. Os custos da falta de reciclagem de materiais.
  5. Os custos da falta de profissionalismo, da ineficiência, ineficácia e do funcionário desempenhando atribuições para as quais não foi adequadamente preparado.
  6. Os custos de fazer o que não é mais necessário.
  7. Os custos de atender pedidos “urgentes”.
Embora tenhamos relacionado 45 (quarenta e cinco) circunstâncias, ocorrências e situações que geram custos que poderíamos chamar de invisíveis - ou seria “inquantificáveis?” - para as organizações, seguramente elas não esgotam o assunto.

O principal objetivo em trazer este tema para reflexão e discussão é chamar a atenção de nossos gestores - proprietários, diretores, gerentes, coordenadores, supervisores, encarregados, líderes, etc - uma vez que todas as empresas convivem com algumas ou muitas dessas situações e circunstâncias e nada ou pouco fazem para mudar. Embora não seja regra, observamos que as causas mais comuns que conduzem as empresas nessa atitude são:

· Gerenciamento permissivo e tolerante com muitas ocorrências que embutem custos não valorizados e com isso incentivam o desenvolvimento de condutas e atitudes em geral, que além de não agregarem nenhum valor, contribuem para um ambiente interno negativo, sem comprometimento, cooperação e profissionalismo.

· Cultura interna construída com base em valores discutíveis sob o ponto de vista ético e comportamental.

· Lucros muito expressivos no passado ou no presente podem desenvolver um nível inaceitável de tolerância e acomodação.

· Paternalismo, muito comum nas pequenas e médias empresas, dificulta a implantação de uma gestão profissional.

· Estruturas de pessoal construídas há muitos anos e em bases que não mais se sustentam diante dos desafios atuais.

· Preparação, treinamento e atualização profissional insuficientes.

Com o nível de competição atual, é preciso estar atento a todos os detalhes que envolvem as relações humanas (tanto no âmbito interno quanto externo), observando o comportamento de todos os colaboradores com uma visão madura e equilibrada;mantendo controles eficientes e eficazes que possam ser traduzidos em dados e informações consistentes para tomadas de decisões; sabendo extrair o máximo dos recursos materiais disponíveis; desenvolvendo um estilo de gestão profissional, responsável, criativo, inovador, participativo, pró-ativo e principalmente, que saiba compartilhar os resultados alcançados e finalmente, jamais descuidar-se da necessidade de fornecer meios para que todos os colaboradores possam ser treinados e preparados para enfrentar os novos desafios.

Todos devem lembrar-se daquele velho ditado: “o que os olhos não vêem o coração não sente!”. Pois é, pode até ser uma verdade para as pessoas, porém, no mundo das empresas, quando “os olhos não vêem - ou não querem ver - as organizações sofrem, enfraquecem, perdem competitividade e muitas até deixam de existir!”

Convido todos a aproveitar a relação dos custos identificados e relacionados anteriormente e fazer uma avaliação sincera de como sua empresa lida com eles.

Autor: Carlos A. Zaffani - gestordeempresa.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário