QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Código de Conduta de Benchmarking

A instituição internacionalmente mais importante em matéria de Benchmarking é a APQC (anteriormente conhecida por American Productivity Center and the American Productivity & Quality Center). A APQC é detentora da marca International Benchmarking Clearinghouse (IBC).


Com mais de 500 empresas associadas, criou um código de conduta aceite universalmente, a saber:


  1. Princípio da Legalidade


    Não faculte os resultados de um estudo de benchmarking sem primeiro ter obtido o consentimento das partes que participaram no estudo
  1. Princípio da Troca de Informações


    Esteja disponível para prestar o mesmo tipo e nível de informações que pediu aos seus parceiros de benchmarking. Seja honesto e completo;
  1. Princípio da Confidencialidade


    A participação de uma empresa num estudo é confidencial e não deve ser revelada ao exterior sem a prévia autorização dessa empresa

  1. Princípio da Utilização


    Utilize as informações obtidas através do benchmarking apenas para efeitos de formular melhorias. Não utilize o benchmarking como meio de comercializar ou vender;
  1. Princípio do Primeiro Contacto


    Respeite a cultura empresarial das empresas parceiras e trabalhe de acordo com procedimentos mutuamente acordados. Evite revelar o nome de um contacto numa reunião aberta sem ter obtido a licença desse contacto;
  1. Princípio da Preparação


    Tire o maior partido do tempo de benchmarking dos seus parceiros estando totalmente preparado para a troca;
  1. Princípio da Conclusão


    Cumpra cada compromisso assumido para com os parceiros de benchmarking;
  1. Princípio da Compreensão e da Acção



    Compreenda de que modo os seus parceiros de benchmarking gostariam de ser tratados.
Por: Carlos Pinto Ascensão - http://www.portalwebmarketing.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário