QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

terça-feira, 22 de novembro de 2016

A sua empresa está em COMPLIANCE?


Primeiro é preciso entender o que significa compliance.

Traduzindo, é estar em conformidade com leis e regulamentos externos e internos. 

Portanto, manter a empresa em conformidade entende-se atender aos normativos dos órgãos reguladores.



Quando surgiu a atividade de compliance, principalmente nas instituições financeiras, a maioria direcionou a atividade para a área do jurídico, por justamente tratar-se de implementação de normativos. 

Mas o tempo e as necessidades demonstraram que este cargo vai além de normas e políticas: devemos incluir os processos.
Não é possível implementar procedimentos de conformidade sem conhecimento do negócio, dos fluxos operacionais. 

Lembram-se do O&M (organização e métodos)? Então, a função agora esta encorpada com muito mais volume de atividades.
Alguns acreditam que interpretar leis basta para ter uma área de compliance ativa. 
  • Mas e os controles internos? 
  • E o risco operacional? 
  • E quanto às atividades da empresa, somente para evidenciar o Brasil, possuem uma carga tributária absurda? 
  • Sem contar com as informações compulsórias e as normas internacionais de contabilidade?
Em momento algum minimizamos a importância da área jurídica na atividade de compliance, mas tentamos evidenciar que os profissionais desta área é parte integrante no processo de construção de um departamento nesse campo, no que tange a entendimento das leis. Mas devemos incluir muito mais que isso hoje.
Portanto, o profissional de compliance necessita entender melhor as suas funções e responsabilidades. Porém, não basta elaborar e publicar normativos e procedimentos, direcionando as responsabilidades aos gestores de áreas. 

Eles necessitarão entender o que está sendo cobrado e como podemos melhorar as atividades e proporcionar maiores índices de eficiência, eficácia e confiabilidade das informações.
Para quem conhece os procedimentos contábeis, sabe muito bem a importância dos controles internos e contábeis para a elaboração de uma nota explicativa em conformidade com as melhores práticas de governança corporativa.
A atividade de prevenção a lavagem de dinheiro, por exemplo, é de extrema importância, mas devemos incluir prevenção a fraudes; segurança da informação; plano de continuidade de negócios; contabilidade internacional, fiscal e gerencial; gestão de riscos e de pessoas; atendimento a auditorias internas e externas; dentre outras. 

Mas para isso ser efetivo, conhecer o negócio, as metas e objetivos dos administradores são de suma importância.
O profissional de compliance, de controles internos e auditoria interna necessitam mudar o seu jeito de pensar e agir. Precisam ser mais participativos e muito mais consultor do que "inspetor". 

A realidade é que somos vendedores de segurança, e o comprador necessita acreditar no profissional e no produto. Somente assim os controles internos terão adeptos e parceiros.

Copiado: http://www.administradores.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário