QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

terça-feira, 12 de maio de 2015

Como Empreender Sendo Empregado

Alguns aspirantes a empreendedores já estão trabalhando em grandes empresas. Assim como os empreendedores externos, eles sonham criar produtos inovadores. 
Eles também precisam criar protótipos, apresentar, financiar, recrutar, vender e encontrar apoio. Como você pode fazer tudo isso quando se é funcionário de uma grande companhia?
Ironicamente, muitos empreendedores (os externos) sentem inveja dos funcionários de empresas consolidadas - eles pensam que essas “almas sortudas” possuem recursos financeiros, laboratórios equipados, fábricas e marcas fortes, além de benefícios como seguro saúde e dentário à sua disposição. Como seria maravilhoso termos jovens determinados a criar novos produtos com a infraestrutura já disponível.
Criar um novo produto nesse ambiente não é mais fácil, apenas diferente. Eu dividi este post com Bill Meade, diretor da Neal Analytics, que faz análise de dados. Nós criamos uma lista de recomendações para empreendedores internos:
Coloque a empresa em primeiro lugar:  A motivação dos empreendedores internos deve ser o crescimento da empresa que o emprega. Empreendedorismo interno não deve ser feito para chamar atenção, construir um império ou construir um caminho para você fora da companhia. Quando você tem uma boa ideia para determinado produto, isso deverá atrair um grande número de colegas.  Eles vão apoiar o que você está fazendo pela empresa, mas não se isso é apenas para ganho pessoal.
Mate as vacas leiteiras: Não faça inimigos contando isso para toda a empresa, mas seu trabalho é, muitas vezes, criar um produto que matará um já existente. Por exemplo, o Macintosh matou o Apple II. Teria sido melhor para a Apple se um competidor tivesse criado o Macintosh? De forma alguma.
Permaneça no radar: Dois jovens em uma garagem devem tentar chamar o máximo de atenção possível. Tornar seus esforços conhecidos facilita a probabilidade de conseguirem financiamento, estabelecerem parcerias, fecharen vendas e recrutarem funcionários. Muitas vezes, no entanto, a tendência para empreendedores internos é que procurem exatamente o oposto. Eles buscam permanecer sozinhos e longe dos diretores até que o projeto chegue em um ponto em que a empresa não possa mais ignorar.
Encontre um padrinho: Em muitas companhias existem as figuras de padrinhos. Essas pessoas já têm a vida ganha e estão a salvo da politicagem diária. Elas são relativamente intocáveis e possuem o respeito da gerência. Empreendedores internos devem encontrar um padrinho capaz de apoiar seus projetos e oferecer conselhos, insights técnicos e de marketing. Além disso, eles podem proteger você caso precise.
Consiga seu próprio espaço: Um empreendedor interno, sentado no principal andar de uma grande companhia, morrerá com as “intromissões” de milhares de chefes de departamento dizendo como seu projeto é uma ideia ruim. Segundo Peter Drucker, o novo sempre parece insignificante e pouco promissor quando colocado próximo à realidade massiva dos negócios que estão acontecendo.
Dê esperança aos esperançosos: Dentro de cada corporativista cínico que acredita que a empresa "é muito grande e burra para inovar" existe um idealista que adoraria ver isso acontecer. Boas pessoas em grandes empresas estão cansadas de serem ignoradas, esquecidas, humilhadas e forçadas à submissão. Elas podem ser pisoteadas, mas não estão mortas. Quando mostra que está colocando uma estaca no coração do status quo, você atrai apoio e recursos. Então seu objetivo será avançar o processo dessas pessoas, fazendo-as passarem de um estágio em que apenas desejam a inovação para outro em que a veem acontecer e, por fim, ajudam a torná-la realidade.
Antecipe e embarque nas mudanças: Deformações em uma empresa são algo bom para empreendedores. Sejam causadas por fatores externos, como mudanças no mercado, ou fatores internos, como a chegada de um novo CEO, mudanças podem criar uma oportunidade para seus esforços. Empreendedores internos antecipam essas transformações e estão preparados para revelar produtos quando elas acontecem.
Construa com base no que já existe: O lado ruim de tentar inovar em uma grande empresa está sempre claro e bem documento, mas também existem benefícios. Não hesite em utilizar a infraestrutura já existente para facilitar sua inovação. Você não apenas vai ganhar recursos, mas também fará amigos quando outros funcionários sentirem que são parte da equipe.


Recolha e compartilhe informações: Vai chegar um momento em que um contador ou advogado questionará a existência do seu projeto. Se você tiver sorte, isso acontecerá mais tarde, mas com certeza acontecerá. Você deve se preparar para esse dia: (1) reunindo informações sobre o quanto você gastou e todos os seus resultados; e (2) então compartilhe abertamente. Em grandes empresas, informações são capazes de suprimir anticorpos, mas pode ser muito tarde para reunir todas as informações quando os anticorpos aparecerem.
Deixe que os vice-presidentes venham até você: Você acha que o seu primeiro passo deve ser fazer com que o vice-presidente da sua área aprove seu projeto? Não é. Esse é um dos últimos passos. Um vice-presidente vai assumir a sua ideia e apoiar a iniciativa se ele “descobrir” que ela existe. Então, fará uma abordagem sobre como patrociná-la. Você talvez precise garantir que essa descoberta aconteça “acidentalmente” na hora certa, mas isso não é o mesmo que uma pessoa procurando permissão para começar.
Desmonte quando terminar: A beleza do empreendedorismo interno é que você pode desenvolver produtos em menos tempo que a engenharia tradicional. Infelizmente, a coesão que faz grupos empresariais tão eficazes pode levar à queda desses mesmos, caso permaneçam separados e distantes.
Reinicie seu cérebro: Muitos empreendedores internos vão descobrir que o este texto prescreve ações contrárias ao que eles experienciaram, aprenderam e talvez ensinaram em grandes empresas. A realidade é que começar algo em uma companhia que já existe exige a adoção de novos padrões de comportamento - essencialmente, reiniciar o seu cérebro.
Por: Guy Kawasaki, - http://www.administradores.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário