QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

segunda-feira, 2 de março de 2015

O QUE É ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

É o ato de desenvolver plenamente o planejamento da empresa, afinal, qualquer caminho será bom se não soubermos aonde queremos chegar.

O que é planejamento?
É uma função administrativa que tem por objetivo estabelecer uma situação futura desejada, delimitando os meios de se chegar à situação idealizada.

O que é estratégia?
É o caminho que a organização deverá seguir, sendo que se considera uma decisão mais estratégica à medida que seja mais difícil voltar atrás, e esta decisão terá impactos mais amplos na organização.

O que é planejamento estratégico?
O PE deve fazer parte do cotidiano de sua empresa, não importando seu porte e nem estrutura. Porém, mais importante que formular um planejamento é administrar e pensar estrategicamente as ações da empresa.

O ponto de partida para definir a configuração organizacional é a estratégia, que é o conjunto atual de planos, decisões e objetivos adotados para alcançar as metas da organização.

A formulação da estratégia inclui as atividades que conduzem à determinação das metas básicas da missão da empresa e o desenvolvimento de um plano específico de estratégia. A implementação da estratégia depende da utilização de ferramentas gerenciais e organizacionais no direcionamento e a alocação de recursos para cumprir objetivos estratégicos.

O direcionamento e a alocação de recursos são realizados com as ferramentas da estrutura organizacional, sistema de controle, cultura, tecnologia e recursos humanos.

O modelo e o projeto organizacional são as expressões definitivas da implementação da estratégia. Os dirigentes de topo devem projetar a organização de modo que todas as partes se ajustem em um todo coerente para estabelecer a estratégia e o propósito da organização.

Para a organização ser eficaz deve seguir sete conceitos básicos:
1.            Orientação: ter o sentido na visão de metas da missão da organização, como pessoas que definem uma orientação estratégica para a organização;
2.            Eficiência: tem como necessidade reduzir os custos e aumentar benefícios pelo uso da máquina;
3.            Competência: capacidade de executar as tarefas com muito conhecimento e habilidade, usando profissionais qualificados para obter as informações;
4. Inovação: ter organização para desenvolver novos produtos e serviços;
5. Concentração: focalizar os esforços em determinadas divisões;
6. Cooperação e Cultura: ter o conjunto de pessoas certas para desenvolver as necessidades de harmonia e cooperação;
7. Conflito e Política: saber lidar com as causas que poderão resultar na desunião das pessoas e de departamentos por causa do sucesso individual.

O objetivo da empresa deve ser montado dentro da finalidade de equilibrar todas as forças. A organização não pode maximizar todas as suas necessidades, mas tem que conhecer todas as forças e alcançar os resultados desejados, isso se trata de um processo contínuo de liderança que pode funcionar por um período de tempo e depois ser reorganizado.

O que é informação?
Informação e controle são componentes essenciais das organizações. Os gerentes precisam das informações para manter a coesão da organização. As ligações verticais e horizontais de informações são projetadas para fornecer aos gerentes dados relevantes para decisões e avaliações. Além disso, os sistemas de controle dependem de informações.

Informação é tudo aquilo que altera ou reforça o conhecimento; dados constituem a entrada de um canal de comunicação. Os dados são tangíveis e incluem o número de palavras, chamadas telefônicas, páginas impressas de computador enviadas e recebidas. Os dados não se convertem em informações sem que as pessoas se utilizem deles para aprimorar seus conhecimentos, o Planejamento Estratégico necessita de informações e não de dados.

A ausência de informações gera incerteza, quanto maior o volume de informações (dados sobre atividades organizacionais coletados e interpretados pelos participantes da organização) menor a ambiguidade. Isto somente poderá ser gerado pela interação entre os gerentes para discutirem a situação corrente quando os dados externos não fornecem respostas.

Em suma, a riqueza de informações irá depender da capacidade da informação de transportar dados. Existem vários canais de comunicação, que podem ser organizados em quatro categorias:

1. Face a face: está em primeiro lugar por proporcionar maiores indicações, como a linguagem corporal e as expressões faciais, esse modelo de comunicação permite que o feedback seja imediato e que a informação seja corrigida automaticamente. Nesse contexto há apenas uma pessoa falando com a outra, ou em contextos de grupos, nos quais as partes são tratadas como indivíduos e não como objetos;
2. Meios eletrônicos e telefones representam um canal relativamente rico por proporcionar um feedback rápido, não tão ágil quanto o face a face, já que as mensagens são pessoalmente direcionadas, embora não haja indicações visuais;
3. Comunicação por documentos escritos e endereçados como cartas, memorandos, notas e fax, permitem um feedback relativamente lento em relação a outros meios de comunicação, pois os apelos visuais são menores;
4. Comunicação por documentos escritos endereçados impessoalmente, como boletins, relatórios padronizados de computador, bancos de dados de computador e registros impressos, constituindo canais mais pobres ou enxutos. Não são adequados para o feedback, contudo são ótimos para o transporte de um grande volume de dados exatos para muitas pessoas.

É importante na estrutura organizacional a maneira como as partes se comunicam e se coordenam entre si e com as outras organizações, as interligações verticais coordenam atividades entre o nível superior e o nível inferior da organização, enquanto as interligações horizontais são utilizadas para coordenar atividades entre os departamentos.

A Tecnologia da Informação permite que informações mais complexas sejam transmitidas rapidamente para muitas pessoas, removendo barreiras de tempo e distância, promovendo um tipo de equipe virtual.

As organizações podem ser projetadas para fornecer o tipo certo de informação aos gerentes. O mesmo poderá ocorrer com os sistemas de apoio à tomada de decisões gerenciais, em que várias empresas têm obtido sucesso com seus sistemas de apoio devido à aplicação de tecnologia aos problemas mensuráveis e analisáveis. A estrutura da organização e os sistemas de apoio à informação devem ser projetados para dar aos gerentes de departamentos e aos funcionários conveniente volume e riqueza de informações. A tecnologia representa o padrão de assuntos e tarefas tratadas em diferentes partes da organização.

Quando é grande a variedade de tarefas, os problemas são frequentes, imprevisíveis e de grande profundidade. A incerteza sendo maior, o volume de informações necessárias também será maior, os funcionários irão despender mais tempo processando informações, e será necessário ter acesso a fontes de alta tecnologia e grandes bancos de dados.

Quando as tarefas não são analisáveis e, portanto, levam a problemas ambíguos, os funcionários necessitam de informações ricas de contatos pessoais. As discussões frente-a-frente e as conversas telefônicas transmitem muitas indicações de informações em curto espaço de tempo. Quando as tarefas são simples os gerentes utilizam meios econômicos. Quando o problema subjacente é claro e simples são necessárias informações escritas ou baseadas em computador.

Os gerentes estão dando cada vez mais ênfase à função da gerência da informação na busca permanente da combinação adequada da estratégia, motivação tecnológica e projeto organizacional, para manter a margem competitiva. Duas estratégias que as empresas podem adotar são: a liderança de baixo custo e a diferenciação.

O líder de baixo custo apresenta custos baixos de produção e pode estabelecer os preços de seus produtos ou serviços num nível suficientemente baixo para obter lucro enquanto as empresas rivais sofrem perdas.

Na diferenciação a empresa oferece um produto ou serviço ímpar baseado nas características do produto, na excelência de serviço ou na rigidez da entrega.

A tecnologia pode ser usada para obter tanto a liderança de custos quanto a diferenciação.
É preciso colocar que o domínio da informação não basta para assumir a liderança, é necessário o controle estratégico, por meio da avaliação geral do plano estratégico, das atividades organizacionais e dos resultados que fornecem informações para ações futuras. O ciclo de controle inclui o plano estratégico, a medição das entradas na atividade de produção, as saídas e as informações contínuas sobre o ambiente externo.

O controle estratégico normalmente utiliza as informações de feedback, que medem as saídas em que as informações são comparadas para que sejam feitas as mudanças requeridas. Ou, ainda, as informações de feedforward que medem as entradas na extremidade inicial do processo, permitido que a organização modifique os planos antes que se desligue do alinhamento as necessidades externas.

O controle estratégico é um processo contínuo que exige o monitoramento das condições internas e externas da organização, direcionando as atividades da empresa para os objetivos estratégicos. O sistema de controle estratégico é formado por quatro elementos fundamentais:

1. Orçamento empresarial: que é utilizado para estabelecer alvos financeiros para o ano e depois relatar custos em determinado período;
2. Relatórios estratégicos: que são usados para avaliar e monitorar o desempenho não financeiro;
3. Sistemas de premiação: que oferecem incentivos a gerentes e funcionários para melhorar o desempenho e alcançar as metas que são avaliadas anualmente pelos gerentes e superiores para saber a que níveis são alcançados e determinar novos objetivos;
4. Procedimentos operacionais: representa as normas e regras tradicionais.
O controle também é um problema de nível mais baixo, operacional das organizações em que os supervisores devem controlar diretamente os subordinados. O controle da supervisão aplica-se ao desempenho dos funcionários, podendo ser de três tipos:

1. Controle de resultados: trata dos registros escritos que medem os resultados e a produtividade dos colaboradores. É utilizado quando as tarefas de um colaborador são facilmente medidas;
2. Controle de procedimentos: trata da observação pessoal do comportamento do colaborador, serve para verificar se os mesmos seguem os procedimentos corretos. Toma mais tempo que o controle de resultados;
3. Controle de entradas: prioriza a seleção e o treinamento para uniformizar os conhecimentos, habilidades, aptidões, valores e motivação dos colaboradores. É utilizado quando nem os procedimentos nem os resultados são facilmente mensuráveis.

Comunicação significa que se contribui falando e não calando as ideias e abrigando mágoas e hostilidades que envenenam o espírito. Não existe informação sem comunicação

O homem não se preparou para o excesso de informações, para processá-las adequadamente. Há uma verdadeira volúpia em obter dados, sem condições de objetivá-los. Enquanto crescem as possibilidades infinitas de informar-se, o homem, paradoxalmente, distancia-se de seus semelhantes, por meio de isolamentos tecnológicos.

Desta forma, acentuam-se a crise de comunicação, as diferenças entre pessoas e grupos que não se compõe em equipes, que não falam a mesma linguagem de ideias e sentimentos e que não realizam a sinergia do trabalho compartilhado.


A comunicação é uma habilidade interpessoal, que tem demitido muitos gerentes ao passar dos anos, pois em muitas vezes o gerente ignora a necessidade da comunicação, quando liderança, comunicação e outras habilidades interpessoais devem ser pré-requisitos para a eficácia gerencial.

Copiado: http://www.portaleducacao.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário