QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Avaliar é Gerenciar

Avaliar é gerenciar ou gerenciar é avaliar? 
Eis a questão!

Pode parecer que essa afirmação esteja simplificando demais a função de gestão, mas será que avaliar é simplificar?

Avaliar é, antes de tudo, um processo contínuo que ocorre no nosso dia a dia, sobre as mais diversas necessidades de escolhas com o objetivo de evitar ou corrigir eventuais desvios para se alcançar os objetivos pretendidos.

Ora, isso é quase uma definição de viver!
Sem dúvida avaliamos por todo o tempo. Podemos mudar a forma, mas o conteúdo é o mesmo.

Na função de gestão, então, avaliar é a própria atividade.
Por isso afirmamos que “Avaliar é Gerenciar”!

Avaliar não é só classificar, é, antes de tudo, uma visão diagnóstica e prognóstica. Por isso a avaliação permite chegar aos resultados desejados na medida em que acompanha o processo e aponta correções

Toda atividade de gestão consiste em se avaliar, por exemplo, a situação, alternativas, melhorias, possibilidades, escolhas, etc.

No planejamento das atividades analisamos prós e contras, estimamos possibilidades, e definimos prioridades. Na transferência das atividades para as equipes orientamos o foco, negociamos o prazo e as alternativas propostas. Enfim, avaliamos como deverá ser feito.

Para controlar a entrega avaliamos o resultado e a aplicação. Aliás, avaliar resultados é fundamental. Ora tudo isso envolve avaliar!

Mas, se é tão comum porque é difícil?
Primeiro porque a atividade avaliar é absolutamente pessoal, exige julgamento de valor e, por isso é complexa e vista com muita restrição.

Sempre é uma atividade de forte componente emocional e efeitos nem sempre controlados. Isso para todas as aplicações sejam profissionais, pessoais, emocionais, etc.

Avaliar é difícil, mas quase sempre estamos avaliando?

Em suma, quando não avaliamos? Talvez quando estamos sendo avaliados.
Além disso, temos outro comprometimento porque avaliar implica em escolher. E escolher significa definir o que vamos perder!

E quando o que avaliamos é uma pessoa então a situação fica complicada.

  • “Será que posso fazer isso?”
  • “Mas não será apenas a minha percepção?”
  • “Será que é porque sou muito exigente com ele?”
  • “ Será que ele (a) vai concordar?”
  • “Será que também tenho uma parcela de culpa no desempenho irregular do meu subordinado?” 
“É, talvez eu não possa ser muito objetivo!”.
Pois é, não é fácil.
Não é fácil, mas em razão de sua abrangência e importância, temos que nos aperfeiçoar nessa atividade.

Evidente que para avaliar temos que ter informações que nos coloque na condição de entender as possibilidades. Se me refiro á avaliação de caminhos tenho que analisar alternativas e objetivos.

Se me refiro á avaliação de pessoas precisarei ter outro componente importante para manter a nossa condição adequada de julgar. Temos que entender melhor a outra pessoa. Algumas vezes precisarei me colocar no lugar do outro para dar uma orientação adequada. A avaliação é um reposicionamento para o avaliado. É como tratamos no feedback, é uma reorientação.

Mas avaliar é conduzir. E conduzir nos remete ás questões do relacionamento.

Por isso, para concluir uma contribuição de nosso mestre Jung: “Domine todas as técnicas, conheça tudo que puder, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas uma outra alma humana”!

Fonte: Bernardo Leite Moreira  - http://www.qualidadebrasil.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário