QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

A Importância do Caranguejo-Uçá na Alimentação


O Uçá é rico em proteínas e ajuda na redução de problemas cardiovasculares


Dentre as várias espécies de caranguejo, o uçá é o mais consumido nas regiões litorâneas, em especial no Litoral Maranhense. Além de ser útil para o meio ambiente, o caranguejo-uçá tem um grande valor nutricional. 

Ele possui proteínas minerais, é rico em cálcio, manganês, zinco e ácidos graxos poliinsaturados da série ômega 3, que apresentam vários efeitos benéficos, como adiminuição do colesterol ruim (LDL)
O caranguejo tem, ainda, um baixo teor de gordura, o que contribui para a saúde, pois reduz o risco de problemas cardiovasculares. 

No entanto, o caranguejo, por ser um crustáceo, apresenta altos níveis de colesterol, representando um fator de risco à saúde humana por ser relacionado àdoença coronariana aterosclerótica

Essa doença pode afetar as artérias do cérebro, do coração, dos rins, de outros órgãos vitais e até causar infarto. A cada 100 g de carne de caranguejo-uçá, o teor médio de colesterol corresponde 85,37mg. 
Segundo a nutricionista do Restaurante Universitário da UFMA, Waléria Costa, o caranguejo é uma importante fonte de energia para o homem, além de ter baixo teor de gordura, mas por outro lado, é preciso ter cuidado ao consumi-lo, pois como se trata de um crustáceo, pode ocasionar alergias. 
  • “Os crustáceos, em geral, podem causar reações alérgicas como coceira, edemas, inchaço nos lábios e, em casos mais graves, pode levar ao choque anafilático”, adverte. 
O caranguejo, bem como qualquer crustáceo, possui uma proteína chamada tropomiosina, que, ao ser ingerida, pode produzir um anticorpo chamado imunoglobulina E (IgE), que ataca uma proteína contida no crustáceo, originando os sintomas da alergia em minutos ou em algumas horas após a ingestão do alimento. 
“Portanto, é preciso ter muito cuidado em caso de reações alérgicas e procurar orientação médica”, defende a nutricionista. 

Waléria orienta que é indispensável que o animal seja cozido vivo. A carne congelada pode ser utilizada em tortas, por exemplo, e só dura cerca de 30 dias, que é o seu prazo máximo de validade. 
  • “Se uma pessoa ingerir carne crua ou mal cozida, poderá ter infecções e acabar tendo que ser hospitalizada. Portanto, é preciso ter cuidado ao consumir caranguejo”, explica. 
Risco de ingestão 

Waléria ressalta que a carne fora da validade pode conter o Vibrio parahaemolyticus, que é uma bactéria que pode causar infecção com sintomas de diarreia, cólica abdominal, náusea, vômitos, dor de cabeça, febre e calafrios. 
“Se cozinhar bem os alimentos, essa bactéria pode ser facilmente destruída”. Por isso, é um risco ingerir alimentos crus, principalmente os crustáceos. 
“Ter cuidado com a higiene e com o preparo desse alimento é fundamental para saboreá-lo sem prejudicar a saúde”, finaliza. 

Saiba + 

caranguejo-uçá é uma das espécies de caranguejo mais comuns nos manguezais brasileiros. Ele é o segundo maior crustáceo encontrado no manguezal e o mais explorado para o consumo humano. 

O uçá é caracterizado por patas carnudas, peludas e arroxeadas. Assim como os demais caranguejos, possui cinco pares de patas, sendo que o primeiro par é bem desenvolvido e terminado em pinças que ajudam na alimentação, na defesa e na atração da fêmea. 

Esses crustáceos vivem em tocas e se alimentam de folhas. Durante a maré alta, o uçá permanece na toca, e na maré baixa, ele sai em busca de alimento. 

Por: http://www.ufma.br/noticias/noticias.php?cod=41318
Revisão: Juliana Lavra
Lugar: Cidade Universitária
Fonte: Liliane Cutrim

Nenhum comentário:

Postar um comentário