QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

segunda-feira, 14 de junho de 2010

“Você está demitido"!

Não importa o motivo, a hora da demissão é muito traumática tanto para quem dá a notícia quanto para quem recebe. O desligamento pode se dever a problemas de desempenho ou conduta, deméritos óbvios do funcionário, ou reestruturações corporativas, demérito da instituição: a notícia sempre causa alguma indisposição entre o empregador e o empregado. Entretanto, as demissões são parte inevitável da rotina de uma empresa. Como executá-las, então, de uma maneira mais natural?

Segundo Daniela do Lago, especialista em comportamento corporativo, o grande segredo é nunca permitir que a demissão ocorra de supetão. Tanto em casos de reestruturação quanto em problemas de conduta, os feedbacks são imprescindíveis. "É fundamental que o processo demissional se dê após alguns alertas preliminares.

Feedbacks bem feitos facilitam e evitam surpresas na hora da demissão", afirma.

Para a especialista, é importante também que o líder dê a notícia, e não terceiros. Assim como é o líder quem contrata e desafia o liderado em sua trajetória na empresa, é também ele quem deve conduzir o processo de demissão. "Pesquisas indicam que 80% das ações trabalhistas são geradas pela falta de respeito na forma como o líder conduz o processo de demissão", salienta Daniela.

Cuidados essenciais

• A empresa deve construir uma política clara para as demissões, para evitar situações arbitrárias.
• Evite problemas legais, a empresa pode ser processada
• Atenção para decisões que possam ser consideradas discriminatórias.
• Nunca comunique a demissão por telefone, carta, "lista" ou através do pessoal do RH. Ela deve acontecer olho no olho, assim como a admissão.
• Nunca tome medidas precipitadas antes da demissão oficial.
• Desrespeito no momento da demissão pode trazer retaliações e denegrir a imagem da empresa no mercado.
Sem traumas: a demissão passo a passo

1. O processo da demissão deve ser planejado detalhadamente, e neste ponto o suporte da área de RH é fundamental. Defina claramente quem deve ser desligado e tenha em mente, com clareza, o real motivo da demissão.

2. Dê a notícia na parte da manhã. Convoque o demitido para uma reunião (curta, cerca de 10 minutos) e tenha sempre em mãos os dados necessários para informar os porquês da demissão.

3. Prepare-se para administrar a reação emocional do demitido. Se ele se descontrolar, mantenha-se calmo e não tente discutir. Saiba controlar seus próprios sentimentos, que podem ser semelhantes aos do demitido. Demonstre que a empresa não o está deixando na mão e reconhece seu esforço e dedicação durante o tempo de empresa.

4. Esteja pronto para responder perguntas como "Posso voltar para minha sala?" Faça um roteiro do que ele deve fazer assim que deixar a sala e explique claramente o que precisa ser devolvido e o que pode ficar com o demitido. Faça-o assinar a documentação antes de deixar a sala.

5. Quando possível, ajude o demitido a se recolocar e diga sim se ele perguntar se pode dar seu nome como referência.

6. Cuide da comunicação interna e externa. Prepare e informe as pessoas da equipe, comunicando se haverá mais demissões. Dê o exemplo, comunique o tratamento justo dado aos demitidos.

http://administradores.com.br/informe-se/carreira-e-rh/

Nenhum comentário:

Postar um comentário