QUEM SOU EU

Minha foto

Administrador de Empresas(UEMA), Mestrado em Administração(FGV-RIO), Professor Universitário (FAMA/UFMA), Ex-Presidente do CRA-MA, Ex-Conselheiro Federal de Administração - CFA, Empresário (DEPYLMAR, ), Ex-Conselheiro Fiscal da ANGRAD, Vogal da Junta Comercial do Maranhão (JUCEMA)Consultor de Empresas, Avaliador do INEP/MEC, Maranhense de Pedreiras, filho de Valdinar e Cavalcante Filho, Casado (Graça Cavalcante), 02 Filhos (Nathália Johanna e Diego Henrique), apaixonado pelo Moto Club de São Luís, Botafoguense de Coração e Feliz da Vida...

segunda-feira, 8 de março de 2010

A mulher e a educação


Notícia disponibilizada no Portal www.cmconsultoria.com.br às 11:35 hs.
Mulher e educação são intrínsecas. Por sua concepção, a mulher exala cuidado, orientação, maternidade, estímulo ao aprender, planejamento, apoio, dentre outras qualidades.

A sociedade moderna abre as portas à atuação da mulher em todos os setores. No mercado de trabalho, em que pese as restrições demonstradas pelas pesquisas comparativas quanto às oportunidades de trabalho para os gêneros masculino e feminino com resultados vantajosos para o primeiro, historicamente a mulher vem impondo sua presença de forma progressiva. A consultoria Bain & Company publica pesquisa realizada com 1.834 executivos seniores, revelando que a alta administração de 75% das empresas não considera a paridade entre os sexos como uma prioridade e destaca que é um problema global, pois somente 3% das companhias listadas na "Fortune 500", por exemplo, têm CEOs mulheres.

Por outro lado, a Fundação Carlos Chagas destaca em suas pesquisas, a partir dos dados do IBGE, que a força de trabalho feminina no Brasil cresceu nos últimos 30 anos. O contingente feminino registrado na PEA - população economicamente ativa, cresceu de 1976 com 29% para 40% em 2007 e mais da metade delas (53%) encontram-se em franca atividade.

No âmbito educacional, entretanto, o cenário se transforma e aponta a presença feminina com longa margem percentual de atuação e na educação básica, há muitos anos atinge os mais altos percentuais na responsabilidade do processo de ensino-aprendizagem de crianças e adolescentes.

O Censo da Educação Superior 2008 demonstra a maioria feminina nas matrículas dos cursos presenciais atingindo 55% no total do Brasil, permanecendo esta média nas regiões. Os concluintes apontam também a maioria feminina com 60%, variando nas regiões entre 55% a 62%. A mesma tendência ocorre também no âmbito dos trabalhadores no ensino superior, com média de 52% de mulheres nas funções técnico-administrativas no Brasil e regiões. Somente quanto às funções docentes os números apontam maioria masculina com média de 55% na Brasil e nas regiões.

Estes números se refletirão no mercado de trabalho nos próximos anos, provocando a expansão da presença da mulher nos mais diferentes setores, que sentirão e se adaptarão ao profissionalismo feminino com suas nuances específicas, interferindo nas visões e abordagens de gestão, planejamento, comunicação e execução e, quem sabe, este movimento embase a equiparação salarial entre os sexos, tão almejada pelas mulheres.

No dia-a-dia, a não ser pelas publicações das pesquisas, o trabalho intenso nos impede de refletir sobre o papel da mulher na sociedade e suas tendências. Que o dia internacional da mulher crie este espaço e provoque a tomada de consciência da importância do papel da mulher e sua influência nas futuras gerações.

Parabéns a todas as mulheres por este dia!
Fonte: CM Consultoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário